Despres e sua KTM são os campeões do Dakar 2010

17 de janeiro de 2010 - 0:00

A organização do Rally Dakar bem que tentou acabar com a hegemonia da KTM na categoria motos, mas o talento do francês Cyril Despres falou mais alto. O piloto garantiu neste sábado, 16 de janeiro, seu terceiro título da prova mais difícil do mundo nos últimos seis anos, já que ele havia ficado com as taças das edições de 2005 e 2007.

“Houve a restrição das cilindradas na moto, mas eu tinha certeza de que minha experiência e capacidade de acelerar dentro de um rali poderiam fazer a diferença”, justifica Despres (foto), se referindo à redução de potência imposta pelo Dakar, com a redução da entrada de ar nas motos de 690cc.

Líder absoluto da classificação geral desde o terceiro dia do Rally Dakar 2010, Despres foi o sexto colocado na 14ª e última etapa, disputada entre San Rafael e Buenos Aires, na Argentina, mas a vantagem para o vice-líder, o norueguês Pal-Anders Ullevalseter permaneceu em mais de uma hora.

O caminho do francês até o título foi dos mais tranquilos. Vice-líder do rali nos dois primeiros dias, ele assumiu a ponta durante a terceira especial e não mais a abandonou. Para se ter uma ideia do domínio de Despres, vale lembrar que ele chegou para a etapa decisiva, neste sábado, com mais de uma hora de vantagem para os concorrentes.

A missão de Despres foi facilitada devido à turbulenta participação de seu grande rival, o espanhol Marc Coma, que teve uma série de incidentes e punições – a somatória das penalizações resultaram num acréscimo de 6h22min em seu tempo total. Alheio aos problemas de Coma, Despres disparou na frente e fechou a edição 2010 com três vitórias e muita regularidade.

“Todas as vitórias são bonitas, mas esta, particularmente, foi um pouco mais. Uma vitória que se deve ao trabalho; uma vitória que se deve à experiência; uma vitória de uma equipe que foi incrível. Somos nove pessoas e todos contribuímos para isso. Todos queriam ganhar; todos queriam lutar e vencemos. É genial. Estamos muito emocionados, o que é natural. Trabalhamos duro. Há três anos deixamos o Lago Rosa, na África, com uma vitória em 2007. Desde então vivemos três anos de pequenos problemas, de treinamentos. Portanto é uma terceira vitória no Rally Dakar que nos emociona. Continuo sendo humano, ainda que tenha conduzido uma moto a toda velocidade durante 15 dias e tenha gasto muita energia. A pouca que me restava se foi com as lágrimas. A KTM contribuiu muito com esta vitória. Há muita confiança. Trabalhamos duro 24 horas por dia durante muitos meses. É evidente que eu tinha medo de perder, mas tinha muito vontade de vencer. E essa minha vontade de vencer era mais forte. Foi um Dakar duro, mas um Dakar bonito e me sinto com sorte de tê-lo vencido”, declarou Despres.

Nascido em 24 de janeiro de 1974 em Fontainebleau, na França, o mais novo campeão do Dakar é um boa praça. Apaixonado por velocidade, Despres ainda consegue tempo para curtir enquanto corre. Numa de suas passagens pelo Rally dos Sertões, o piloto chegou a conhecer de perto as dunas brasileiras. Em terras nacionais, também faturou dois títulos do Sertões.

O sucesso do francês é a prova de que a persistência compensa. A pobre infância em Paris, capital da França, não o impediu de estar perto das grandes máquinas. Para juntar dinheiro, ele foi mecânico até 2001. Conseguiu sua primeira moto aos 18 anos, mas seguiu trabalhando com graxa, correntes, motores, suspensões…

A grande oportunidade de sua vida surgiu quando tinha 20 anos. Chamado para uma competição, ele andou entre os primeiros e despertou a atenção de empresários franceses. Em 1998, fez sua estréia entre os profissionais no Rally da Tunísia, quando alcançou a 13ª colocação na classificação geral. Três anos mais tarde, conseguiu patrocínio para abandonar a profissão de mecânico. Com o passar do tempo, mostrou-se especialista nas provas africanas; é bicampeão do Rally da Tunísia, bi do Rally do Marrocos e tri do Rally dos Emirados Árabes.

A vitória da décima quarta e última etapa foi do português Ruben Faria, companheiro de Despres, seguido por Ullevalseter e pelo também português Helder Rodrigues. “Estou muito feliz. Meu Dakar consistia em ajudar Cyril Despres, para que pudesse vencer a prova. Ontem, brincando, eu lhe disse que estava a um minuto da 11ª colocação e ele me respondeu: “Amanhã pode ir mais rápido para tentar conquistar esse 11º lugar”. Fiz isso e me permiti vencer a etapa. Estou muito feliz por mim, e muito feliz que Cyril tenha vencido o Dakar. Esta especial foi um presente que Cyril me deu”, declarou Faria.

O petropolitano Rodolpho Mattheis terminou como melhor brasileiro na competição. O piloto da equipe Petrobras/Lubrax terminou o dia na 54ª colocação, mas foi o 29º no acumulado geral. Mattheis ficou com o vice-campeonato na categoria Marathon 450cc. O paulista Carlos Ambrósio foi o 25º no dia e terminou em 36º no geral. Já Vicente de Benedictis foi o 64º no dia e acumulou a 76ª posição no geral.

RESULTADO DO DÉCIMO QUARTO DIA NA CATEGORIA MOTOS

1º – Ruben Faria (POR) – KTM – 1h26m48s
2º – Pal Anders Ullevalseter (NOR) – KTM – 1h30m33s

3º – Helder Rodrigues (POR) – Yamaha – 1h30m45s
4º – Alain Duclois (FRA) – KTM – 1h31m22s
5º – David Fretigne (FRA) – Yamaha – 1h31m43s

6º – Cyril Despres (FRA) – KTM – 1h31m53s
7º – Olivier Pain (FRA) – Yamaha – 1h32m10s
8º – Marc Coma (ESP) – KTM – 1h32m14s
9º – Henk Knuiman (HOL) – KTM – 1h32m58s
10º – Francisco López (CHI) – Aprilia – 1h33m07s
25º – Carlos Ambrosio (BRA) – Honda – 1h42m00s
54º – Rodolpho Mattheis (BRA) – KTM – 1h54m28s
64º – Vicente de Benedictis (BRA) – Honda – 2h03m39s

CLASSIFICAÇÃO FINAL DO DAKAR 2010 NA CATEGORIA MOTOS

1º – Cyril Despres (FRA) – KTM – 51h10m37s
2º – Pal Anders Ullevalseter (NOR) – KTM – 52h13m29s

3º – Francisco López (CHI) – Aprilia – 52h20m25s
4º – Helder Rodrigues (POR) – Yamaha – 52h30m10s
5º – David Fretigne (FRA) – Yamaha – 53h06m33s
6º – Alain Duclois (FRA) – KTM – 53h09m12s
7º – Jonah Street (EUA) – KTM – 54h00m20s
8º – Jakub Przygonski (POL) – KTM – 54h26m36s
9º – Olivier Pain (FRA) – Yamaha – 54h38m57s
10º – Juan Pedrero Garcia (ESP) – KTM – 54h44m25s
29º – Rodolpho Mattheis (BRA) – KTM – 64h03m16s
36º – Carlos Ambrosio (BRA) – Honda – 65h40m48s
76º – Vicente de Benedictis (BRA) – Honda – 98h47m58s

Redação Mundocross
Texto Divulgação
Foto Divulgação KTM

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly