CBM avança no projeto de isenção de impostos

11 de Fevereiro de 2010 - 17:00

O Brasil está cada vez mais perto de sua revolução no motociclismo de competição. Nesta quarta-feira, 10 de fevereiro, o presidente da Confederação Brasileira de Motociclismo – CBM, Alexandre Caravana Guelman, acompanhado pelos presidentes da Federação de Motociclismo de Rondônia, Reinaldo Selhorst, e da Federação de Motociclismo do Distrito Federal, Carlos Senise, se reuniu com diretores da Receita Federal.

O motivo da reunião foi para definir a regulamentação da lei que permitirá a isenção de impostos para importação de motos de competição. A previsão é de que até o mês de junho tudo já esteja resolvido, e a definição dos pilotos e encomenda das motos aconteça até agosto.

”Hoje (quarta-feira) realmente demos um passo definitivo nessa questão, que até agora vinha sendo uma luta mais política do que técnica”, declarou o presidente da CBM, Alexandre Caravana (foto). “O Senado se mostrou favorável, o presidente Lula aprovou a lei, e agora fomos lá na Receita Federal para redigir a regulamentação. Já conseguimos o benefício. Agora vamos torná-lo efetivo”, completou.

De acordo com o presidente da CBM, o benefício só não poderá ser aproveitado para as competições de Motovelocidade, mas atingirá os pilotos das modalidades de Motocross, Supercross, Enduro, Velocross, Cross-country, Supermoto, Trial e Rali.

”É um grande sonho que estamos realizando. É um incentivo ao esporte nunca visto antes. Poderemos trazer em larga escala motos de alta qualidade e a preço praticamente de custo para os pilotos brasileiros. Nossa idéia é trazer algo em torno de dez mil motos por ano”, disse o presidente da CBM. Um dos principais incentivadores do projeto, ao lado do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), o presidente da FMR, Reinaldo Selhorst, também comemora a proximidade da conquista para os pilotos brasileiros.

”Esse é um trabalho que já vem de longa data. Hoje tivemos mais esta etapa, nessa batalha com a Receita Federal para conquistarmos a isenção do imposto das motos. Foi um trabalho longo, buscando uma redação final. Acho até que já passou do tempo de conquistarmos esse benefício, mas estamos bem próximos de uma medida definitiva”, declarou Selhorst. O dirigente ressaltou a importância do senador Valdir Raupp na questão.

“Ele é um apaixonado pelo motociclismo, e o crédito dele nessa questão é muito grande. Ele encabeçou esse projeto há quatro anos, por entender que o motociclismo brasileiro precisa de uma força política para se consolidar como esporte no país”, afirmou Selhorst. “A administração passada da CBM não teve interesse em fazer o processo andar. Já na atual gestão, o Alexandre se empenhou para que isso acontecesse. Eu ele estamos há mais de dois anos brigando por isso, indo a Brasília todas as vezes em que algum documento era requisitado e sempre dispostos a fazer o processo caminhar”, declarou.

O presidente da CBM já iniciou o processo de negociação com as montadoras. “Estamos adiantando algumas etapas para que, no mais tardar, até junho, quando tivermos a regulamentação da lei pronta, o processo seja rápido para trazermos as motos para os pilotos brasileiros”, encerrou Caravana.

Redação Mundocross
Texto by Adriano Winckler
Foto Arquivo

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly