Scott venceu e ganhou um carro no Brasileiro de MX

Foto por Jorge Soares | 12 de abril de 2010 - 11:00

O dia de competições em Siqueira Campos começou com o treino de aquecimento, passando logo após a solenidade oficial de abertura do Campeonato Pro Tork Brasileiro de Motocross 2010. E a competição mostrou muito mais do que um campeonato com infraestrutura internacional. O nível técnico dos pilotos que entraram na pista do Centro de Treinamento da Pro Tork foi altíssimo, com pegas emocionantes em várias categorias.

Os treinos de aquecimento deste domingo de manhã, 11 de abril, começaram às 9:30 horas e encerraram às 11:50 horas, com a solenidade de abertura começando logo após. Depois de tocado o hino nacional brasileiro, Renan Loubak, vice-presidente da CBM, Marlon Bonilha, diretor da Pro Tork e Sergio De Paris, gerente da Rinaldi, deram as boas vindas para o público e convidados, e desejaram boa corrida aos competidores. A primeira bateria disputada foi a MX3, que entrou na pista às 12:30 horas.

E quem largou na frente foi Davis Guimarães, seguido de Milton Chumbinho Becker e Nico Rocha. Na metade da prova, Com 5 minutos de prova Nico passou Chumbinho e partiu para cima de Davis para ultrapassá-lo momentos epois. Esta disputa durou até o final da prova, com os pilotos revezando a liderança, sempre com Chumbinho por perto. Final de corrida, vitória de Nico Rocha na MX3, que comemorou muito e estava muito feliz com o feito.

CATEGORIA 65

A segunda categoria a entrar no circuito do Centro de Treinamento da Pró Tork foi a 65, que teve o garoto gaúcho Enzo Lopes largando na ponta, seguido do goiano Kioman Navarro que havia largada nas primeiras posições chegando em segundo lugar. Os dois estavam numa distância de mais ou menos 50 metros, fato que não permitia que Enzo cometesse qualquer erro, senão Kioman estava ali para assumir a ponta. Mas Enzo não cometeu erro e passou em primeiro na bandeirada final, começando a temporada 2010 assim como terminou a de 2009, vencendo !!!

CATEGORIA MX2

Depois da 65 foi a vez das disputas na categoria MX2, e quem largou na ponta foi o paulista Eduardo Lima, seguido do seu conterrâneo Thales Vilardi. Depois vinha Jorge Balbi e o americano Scott Simon. Balbi deu uma errada no miolo da pista e Simon ultrapassou o brasileiro. Por volta dos 10 minutos de prova Vilardi capotou de frente no mergulho e ficou fora da corrida, e pela queda teve sorte em não se machucar muito, sofrendo ‘apenas’ alguns hematomas.

Simon ultrapassou Dudu Lima, e depois Balbi também passou o paulista. Balbi perseguia Simon, quando aos 20 minutos de prova o americano caiu e Jorge Balbi Jr. assumiu a liderança para não perder mais. Final de prova, Balbi venceu a MX2 com Simon em segundo, Marcello Lima em terceiro, Dudu Lima em quarto e Marçal Müller em quinto. Curiosamente o pódio foi formado por pilotos que correram de Kawasaki.

CATEGORIA 230

Vencedor da categoria nacional 230 foi o piloto sul-matogrossense Carlos Eduardo Franco, com o mineiro Richard ‘Piabinha’ Nunes em segundo e o goiano Deni Marques em terceiro. Na real Deni chegou em segundo, mas foi penalizado e caiu para terceiro lugar.

CATEGORIA 85

O gaúcho Gustavo Roratto largou na frente, mas não suportou a pressão do piloto paulista Anderson Amaral, que estreou na equipe 2B Duracell Racing, que assumiu a ponta para não largar mais até a bandeirada final. Roratto estava em segundo quando caiu e passou para quarto lugar e não conseguiu mais recuperar as posições perdidas. O segundo colocado foi sul-matogrossense Cezar Zamboni e o terceiro o catarinense Gustavo Henrique Henn.

CATEGORIA MX1

Na categoria MX1, considerada a Fórmula-1 do Motocross, a vitória ficou com o americano Scott Simon, da equipe Pro Tork. Quem largou na ponta foi Pipo Castro, de Santa Catarina, com Paulo Stedile, do Paraná, grudado na sua roda traseira, e também lado a lado (foto), tanto que Paulinho liderou a prova no início da prova. Quem também liderou no início foi o piloto paraguaio José Felipe. É que estava valendo um carro zero bala ao vencedor e todos estavam endiabrados. O mineiro Massoud Nassar com uma KTM 250F estava fazendo milagre andando na frente entre as 450F.

Mas no decorrer da prova o americano Scott Simon assumiu a ponta e Jorge Balbi Jr. de Minas Gerais, que largou no pelotão da frente, assumia a segunda colocação. Balbi andou algumas voltas com Simon em sua alça de mira, mas aos 22 minutos de prova, Balbi cometeu um erro e levou um chão, deixando o caminho livre para o americano andar sem pressão e ir para a bandeirada final e ganhar além dos 25 pontos para o campeonato e R$2.500,00 de premiação, um carro zero bala oferecido pela Pro Tork e pela CBM ao vencedor da categoria MX1.

“Eu já estava bem cansado por causa da prova da MX2, e como não fiz uma boa largada, esperava terminar em segundo ou terceiro. Sei que o Balbi está em muito boa forma, mas pilotei o melhor que pude para tentar vencer e estou feliz por isso. O Ratinho e o Balbi andaram muito bem. O Balbi vinha chegando em mim, até que caiu. Mas eu não sabia que ele tinha caído, pois as pessoas ficavam me mostrando as placas em português e eu não entendia nada”, brincou Simon. “O campeonato é longo, são muitas corridas e esta foi apenas a primeira, vou continuar treinando forte e me esforçando para conquistar novas vitórias”, declarou Simon.

“Cometi um erro logo no começo, pois larguei mal e não fiquei nem entre os 20. Comecei uma prova de recuperação, com calma, recuperando posição após posição, até que vi o Scott. Com cerca de 20 minutos de prova, eu acabei desgarrando, caí, fiquei meio zonzo, mas voltei e terminei em terceiro. Para o campeonato está excelente. Tive muita força de vontade para subir na moto e voltar. Tenho certeza de que no fim do campeonato esse terceiro lugar vai ajudar na classificação final”,ressaltou o piloto mineiro.

CINCO PRIMEIROS DA ETAPA DE ABERTURA DO BRASILEIRO DE MX

CATEGORIA MX3

1°) Nico Rocha
2°) Davis Guimarães
3°) Miton ‘Chumbinho’ Becker
4°) Vagner Lachi
5°) Nielsen Bueno

CATEGORIA 65

1°) Enzo Lopes
2°) Kioman Navarro
3°) José Brayan Padilha
4°) Djalma Brito
5°) Mateus de Souza

CATEGORIA MX2

1°) Antonio Jorge Balbi Jr.
2°) Scott Simon
3°) Marcello Ferreira Lima
4°) Eduardo Ferreira Lima
5°) Marçal Müller

CATEGORIA 230

1°) Carlos Eduardo Mendes Franco
2°) Richard Bruno Rezende Nunes
3°) Deni Marques de Abreu Filho
4°) Nivaldo Viana
5°) Germano Vandressen

CATEGORIA 85

1°) Anderson Amaral
2°) Cezar Zamboni
3°) Gustavo Henrique Henn
4°) Gustavo Roratto
5°) João Pedro Pinho Ribeiro

CATEGORIA MX1

1°) Scott Simon
2°) Marcello Ferreira Lima
3°) Antonio Jorge Balbi Jr.
4°) Eduardo Ferreira Lima
5°) Cristopher ‘Pipo’ Castro

ETAPAS RESTANTES DO BRASILEIRO DE MOTOCROSS 2010

2ª Etapa – Dia 25 de Abril – Carlos Barbosa – Rio Grande do Sul
3ª Etapa – Dia 16 de Maio – Canelinha – Santa Catarina
4ª Etapa – Dia 27 de Junho – Foz do Iguaçu – Paraná
5ª Etapa – Dia 18 de Julho – Cidade a definir – Espírito Santo
6ª Etapa – Dia 1º de Agosto – Ouro Preto do Oeste – Rondônia
7ª Etapa – Dia 19 de Setembro – Nova Friburgo – Rio de Janeiro
8ª Etapa – Dia 10 de Outubro – Cidade a definir – São Paulo

O Pro Tork Campeonato Brasileiro de Motocross tem patrocínio de Pro Tork e Rinaldi, com supervisão da Confederação Brasileira de Motociclismo – CBM.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly