Blog do Jorge Balbi Jr. – De volta ao Brasil

20 de abril de 2010 - 23:00

Sei que, mais uma vez, estou em dívida com vocês rs… pois não tenho atualizado o Blog constantemente. Porém, a grande verdade é que venho numa maratona alucinante nos últimos 30 a 40 dias. Estou me dedicando muito ao novo desafio e está difícil de arrumar um tempo…

Bem, vamos ao que interessa. Como não é novidade, vou correr no Brasil este ano. Cheguei em BH, onde moro aqui no Brasil, poucos dias antes da abertura do BRMX, e confesso a vocês, minha vida tá bem corrida desde então. Mas graças ao apoio da minha equipe 2B Duracell e todas as pessoas que vem trabalhando para o sucesso da equipe conseguimos estrear muito bem nas 2 maiores competições do país, Brasileiro / Superliga.

Brasileiro em Siqueira

Cheguei em Siqueira bastante animado e andei muito bem nos treinos, porém, pra ser sincero, tive bastante dificuldade em me adaptar com a pista. O desenho da pista estava excelente, com saltos técnicos, triplos e até mesmo um quádruplo bem legal. Porém o solo, como de costume, era dura de cantar pneu rs…

O tratamento do terreno deixou a desejar e tive muita dificuldade durante todo o fim de semana, pois estávamos andando muito rápido em um terreno que não tinha nenhuma tração. Porém se tava assim, tava igual pra todo mundo e procurei me adaptar e acho que me saí muito bem. Fiz bons tempos nos cronometrados conquistando os pontos extras.

Outra coisa bem difícil é o fato de andar em 2 motos diferente 250/450. É um desafio e tanto que dá muito trabalho principalmente pro meu mecânico Max. Tenho que agradecer não só a ele mais ao meu pai que tá sempre trabalhando junto com ele e também ao Wesley. Juntos ele viraram algumas madrugadas trabalhando nas minhas motos para que tudo desse certo.

Corridas

Larguei bem na MX2. Era o terceiro no fim da segunda volta e tinha atrás de mim o americano Scott Simon. Já logo na primeira volta errei e ele me passou, o que foi bom, pois queria muito andar atrás dele, já que ele tinha muitas horas de treino naquela pista e assim pude ver algumas linhas diferentes… Nas primeiras voltas não estava andando bem, porém fui relaxando e aos poucos comecei a andar melhor. O Scott atacou o Tales e levou a melhor. Fiz o mesmo. Daí em diante foi o Dudu Lima e, na metade da corrida, ele era o primeiro e eu vinha em segundo.

Ele tinha alguns segundos de vantagem e eu logo comecei a apertar o ritmo e fui tirando diferença e na mesma curva que passei o Tales e o Dudu consegui ultrapassá-lo com um block pass. Ele não freou e acabou batendo na minha roda traseira.

Fui embora sem olhar pra trás até que percebi que ele tinha caído então foi só administrar a vantagem e ganhar a corrida. Fiquei bem feliz com a vitória, porém ainda tinha mais um desafio pela frente: a MX1. Descansei e fui para a largada bem animado.

Largada da MX1

Pulei mal do gate e vinha no bolo, até que na primeira curva alguns pilotos foram para o chão. Por muito pouco não fui junto e acabei perdendo muito tempo, pois tive que puxar minha moto para trás e começar a corrida muito atrás. Procurei manter a calma, mas sabia que tinha que enfiar a mão, pois não via nenhum dos dois gringos que andaram bem no cronometrado. Sabia que eles estavam bem na frente.

Comecei a fazer ultrapassagens e logo vi o Roberto Castro, que acabou caindo na minha frente. Por muito pouco não passei em cima dele. Mais uma vez perdi tempo, mesmo assim me concentrei e fui virando voltas rápidas, fazendo ultrapassagens uma atrás da outra até que comecei a ver o Scott Simon, que já era o primeiro aos mais ou menos 12 minutos de corrida. Acelerei forte e passei o Pipo, indo para segundo e comecei a virar o mais rápido que dava. Aos poucos encostei no Scott com uns 20 minutos de corrida e ele estava andando muito bem.

Comecei a pressionar e ele era mais rápido do que eu em alguns pontos enquanto eu estava melhor em outros. Confiei no meu taco aos 22 minutos de corrida pulamos a chegada lado a lado e quase consigo a ultrapassagem, porém 2 curvas depois fui muito atrapalhado por retardatário, o Scott negociou melhor e abriu novamente. Comecei a buscar mais uma vez, porém não vou mentir. Estávamos andando no limite da pista e dos pneus rs… Por muitas vezes achei que ele ia cair, pois escorregava na minha frente. Outras horas eu mesmo quase fui ao chão.

Não desisti e o encontrei novamente, porém ao entrar em um salto triplo em curva a moto saiu de traseira. Consegui consertar, porém fui para fora da pista aterrissando em um buraco. Daí em diante não me lembro de muita coisa. Caí muito feio e apaguei por alguns segundos. Só me lembro dos fiscais tirando a moto de cima de mim. Doía todo o corpo e ainda estava muito tonto, subi na moto e fiz o que pude para levar a moto até a chegada já que ela estava completamente empenada…Ainda garanti um 3º lugar que pro campeonato é muito bom.

Porém melhor mesmo foi poder voltar pra casa inteiro depois do super tombo que tomei.Tenho muito mais muito mesmo para agradecer a Deus pela super proteção. Fiquei toda a semana sem treinar já que doía o corpo todo e fui para Indaiatuba.

Superliga em Indaiatuba

Procurei ser mais cauteloso no sábado e me poupei, pois sabia que ali eu seria um dos poucos pilotos a encarar duas baterias.Os pilotos Honda, como já esperado, estavam muito rápidos. Procurei estudar as linhas deles e me concentrei para as corridas.

Largada MX2

Cai o gate, e eu pulei muito bem, porém na subida a molecada leva muita vantagem hehehehe. No plano ainda vai, mas na subida o meu peso atrapalha um pouco hehehehe. Mesmo assim consegui sair em sexto. Como na corrida passada, não andei bem no início da corrida. Mesmo assim fui passando os pilotos um a um, porém na minha frente, o Swian que largou em terceiro, passou o Jean Ramos e começou a abrir. Demorei um pouco para passar ele, não conseguia me encontrar. Mais uma vez não conseguia tração na moto e estava muito inseguro.

Porém não desisti e, de repente, aos 24 minutos de corrida uma placa do Max me ajudou muito. Ele dizia: ‘Acredita, você pode’. Aquela placa entrou na minha cabeça e eu me encontrei. Comecei a fazer as curvas de chão duro muito mais agressivo, algo que até então não estava tendo confiança. Querendo ou não são 5 anos andando somente em canaletas ou em paredes no caso do SX…

Acho que me lembrei como que faz o posicionamento certo e também a maneira em que se deve acelerar e comecei a tirar quase 2 segundos por volta. Fui buscando o Swian e tirei toda a diferença. Na minha cabeça ia dar certinho, pois quando o Max me deu trinta minutos sabia que ainda tinha duas voltas. Porém só não contava era com que a corrida era de trinta mais uma. Ao receber a placa de uma e não duas voltas ainda tentei, cheguei muito perto, mas não o bastante para conseguir a ultrapassagem.

Fui para o podium triste por que queria muita a vitória, porém ao mesmo tempo feliz, pois finalmente achei que tinha andado aquilo que sei no fim da bateria. Quero parabenizar ao Swian, pois andou muito forte e fez uma corrida melhor do que a minha, merecendo a vitória !!

MX1

Descansei bem e estava confiante. Queria começar a corrida da MX1 no ritmo que terminei a MX2. No intervalo, procurei lembrar de tudo o que tinha mudado na minha pilotagem e fui para o gate. Cai o gate a minha vontade de largar bem era tanta que mais uma vez errei a largada. Patinei no gate perdendo muito tempo.

Não passei nas primeiras curvas nem mesmo entre os dez, porém me sentia muito confiante e fui pra cima. Foram várias ultrapassagens. Passei o Zenni, depois o Roosevelt, na volta seguinte o Lucas Moraes e o Leandro e fui pra cima do Marrom que já tinha aberto um pouco. Juntos, chegamos no pelotão da frente. Não quis esperar e ataquei o Marrom, conseguindo superá-lo.

Em seguida, passei o Takahashi, que surpreendeu muita gente com uma excelente velocidade nas primeiras voltas. Daí fui pra cima do Wellington Garcia, onde consegui a ultrapassagem e não quis olhar mais para trás. Imprimi um ritmo muito forte e consegui uma boa vantagem que pude administrar ate o final da corrida.

Fiquei muito feliz com a vitória, porém mais feliz ainda com a maneira em que eu pilotei no chão duro. Fiz boas descobertas no fim de semana que acredito que poderão me ajudar durante todo o ano aqui no Brasil. Quero terminar agradecendo a torcida de todos vocês que me deram um apoio muito grande nessas primeiras corridas.

Agradeço a Deus acima de tudo por me dar saúde e oportunidade de fazer o esporte que mais amo !! E, além disso, poder contar com uma família muito unida e uma equipe perfeita : a 2B Duracell Racing e nossos parceiros.

Balbi

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly