Balbi representará o Brasil na corrida do século

Por João Perocco | Foto por Idário Araújo | Fotos por Idário Araújo | 27 de maio de 2010 - 19:00

Depois de onze anos, o Campeonato Mundial de Motocross finalmente retorna aos Estados Unidos, no que vem sendo chamada de ‘a corrida do século’. O circuito de Glen Helen, em San Bernardino, na Califórnia, irá receber a prova neste fim de semana, 29 e 30 de maio, e Jorge Balbi, da equipe 2B Duracell Racing, será o representante brasileiro.

O retorno do Mundial de Motocross aos Estados Unidos marca muito mais do que o retorno da principal competição do planeta a um dos países que mais entusiastas tem do esporte. Depois de muitos anos, os pilotos do Mundial irão enfrentar os maiores nomes do AMA Motocross, em uma corrida que promete ser a mais disputada dos últimos tempos.

Na MX1, além de Antonio Cairoli, Maximilian Nagl e David Philipaerts, três primeiros colocados do mundial, estão confirmados Mike Alessi e Ben Townley, que correm no AMA Motocross. Na MX2, Marvin Musquin, Ken Roczen e Jeffrey Herrlings se unem a Tommy Searle, Max Anstie e Martin Davalos.

O mineiro Jorge Balbi, da equipe 2B Duracell Racing, será o único representante brasileiro na competição. Acostumado a provas internacionais, o piloto se mostra muito animado com a chance de competir em uma prova que, segundo ele, terá o maior nível técnico dos últimos anos.


“Realmente, esta prova será uma corrida histórica e é um orgulho pra mim estar aqui. Estou feliz porque, diferentemente do Brasil, vou correr sem pressão e pra me divertir e costumo render bem assim. Além disso, é muito bom voltar a correr em uma pista de Motocross de verdade porque as pistas do Brasil estão em um nível muito baixo”, comentou o piloto, que utilizará a prova como um “aquecimento” para a etapa brasileira do Mundial, que acontece em Campo Grande nos dias 21 e 22 de agosto.

Jorginho Balbi quer fazer bonito no Mundial de MX em Glen Helen

Jorginho Balbi quer fazer bonito no Mundial de MX em Glen Helen

Balbi, que competiu em Cachoeiro do Itapemirim no último fim de semana e sofreu uma queda quando liderava a MX1, ainda está se recuperando de uma contusão na perna, mas não acredita que isso irá prejudicar o seu desempenho.

“Felizmente as dores vem melhorando bastante e acho que amanhã já vou conseguir treinar. Estou recuperando da contusão, mas estou muito motivado e feliz de voltar a competir aqui”, disse.

Depois das corridas nos Estados Unidos Balbi retornará ao Brasil

Depois das corridas nos Estados Unidos Balbi retornará ao Brasil

A Equipe 2B Duracell Racing tem o patrocínio de Gilette, Ariel, Mobil, i9/Coca-Cola, Mormaii, Café Fino Grão e Mart Plus. Os patrocinadores/fornecedores são NFS, NEYFA, Pirelli, All Sign e L’aquila.

Sobre a Duracell

Nessa temporada, a equipe tem uma energia extra da líder mundial em pilhas alcalinas de alta performance. O forte apoio da Duracell, uma das marcas da Procter & Gamble (P&G), propicia a equipe condições pelos melhores resultados nas pistas. Conceitos importantes para a Duracell como energia, resiliência e durabilidade são conceitos em comum com a equipe, além é claro da resistência e capacidade de superação que os pilotos apresentam a cada etapa.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly