FMR e instituições comentam projeto ambiental

Foto por Arnaldo Martins | 13 de junho de 2010 - 17:15

‘Meio Ambiente’ são duas palavras que atualmente vem sendo pronunciadas em todo o mundo, nos mais variados setores, e o motociclismo não podia ficar de fora desta importante questão que exerce influência direta sobre a vida de todos os seres humanos, sejam pilotos, ou não.

Por ocasião da realização da terceira e última etapa do Latino Americano de Motocross MX2 2010, que aconteceu na Pista do Bosque, na cidade de Cacoal, em Rondônia, no último dia 6 de junho, foi executado, pela segunda vez no Estado e no mundo, um projeto de Neutralização de Carbono que consiste em calcular os gazes expelidos pelas motos de competição, compensando o ambiente com o plantio de árvores decorrente do resultado.
Equipe envolvida no projeto de reserva de carbono em Rondônia

Equipe envolvida no projeto de reserva de carbono em Rondônia

Dezenas de mudas dos mais variados tipos de árvores foram plantadas na Pista do Bosque pelas principais autoridades de Rondônia, numa grande parceria da Federação de Motociclismo – FMR com a Federação Internacional de Motociclismo – FIM, União Latino Americana de Motociclismo – ULM, Governo de Rondônia através da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – SEDAM, e Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Cacoal.

Para a delegada da Comissão Internacional de Meio Ambiente da FIM, Kattia Hernandez, o Meio Ambiente dentro do motociclismo vem se consolidando em todo planeta, de forma que as autoridades devem atentar para este fato tão eminente. “Para a FIM é motivo de muita satisfação saber que, aqui em Rondônia existe uma instituição de motociclismo preocupada com o Meio Ambiente, especialmente na Amazônia onde está localizada”, afirmou.

A FMR, segundo Káttia Hernandez, é a única Federação no mundo que até o momento apresentou e executou um projeto de Neutralização de Carbono em pistas de Motocross. A FMR executou o projeto por duas vezes, sendo a primeira no Latino Americano de 2009, em Ji-Paraná, e em Cacoal este ano.

Para o Presidente da FMR, trabalhar as questões ambientais nunca foi fácil, e com o motociclismo não poderia ser de outra maneira. “Entretanto, nossa missão foi realizar um trabalho ambiental, sobretudo, voltado para as gerações futuras, que certamente terão a oportunidade de assistir, neste mesmo palco, eventos realizados com muito mais qualidade e saúde para todos”, concluiu Reinaldo Selhorst.

Texto : Arnaldo Martins

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly