10P Mundocross para Hugo Amaral

Por Tião Hot Gouvêa | Fotos por Divulgação | 30 de novembro de 2010 - 16:49

O entrevistado do mês de novembro aqui no 10P Mundocross é o rondoniense Hugo Amaral, piloto que na temporada 2010 passou a fazer parte da equipe Mastter Moto / Honda, equipe semi-oficial de fábrica da Honda. Hugo é um dos nomes fortes do Motocross do norte do Brasil, e que neste ano teve sua primeira experiência na disputa de uma temporada em um campeonato nacional de Motocross.

Esta entrevista foi feita pelo grande Sebastião Hot Gouvêa, o ‘Tiãozinho’, editor do Jornal RaceX, e também da Revista RaceX, que gentilmente repassou a matéria para o site Mundocross. E para contar como foi sua temporada, e também sobre sua experiência na Superliga de Motocross, e as expectativas para a temporada 2011, vai aqui o 10P Mundocross para Hugo Amaral. Boa leitura !!

Placa de 5 segundos no ar : Largou…

1) Mundox – Sei que o que mais te incomoda é o fato de ter perdido um título talvez somente pelo fato da surpresa de um defeito mecânico. Mas, mesmo assim, gostaria que você comentasse sobre a etapa final do campeonato em Alvorada do Oeste. O que realmente aconteceu ?

Hugo Amaral – Fui para a etapa final muito tranquilo, porque sabia que um terceiro lugar na geral já me daria o título de campeão. Fui com esse pensamento na primeira bateria, deixei meus concorrentes disputarem entre eles e estava me mantendo em terceiro fazendo somente o necessário para ser campeão. Mas na nona volta a minha moto parou, e percebi que a embreagem estava enforcada. Tentei tirar o cabo, mas no meu desespero não consegui e desci da moto e comecei a empurrá-la correndo em direção ao pit stop, como as rodas estavam pesadas com a lama fiz muita força até chegar ao pit.

Chegando lá, cortaram o cabo de embreagem, mas mesmo assim as marchas não estavam entrando, e me falaram que não tinha mais o que fazer. E na hora veio todo aquele filme, do sofrimento que eu passei quando quebrei a clavícula, correr fraturado e chegar à última etapa e a moto quebrar.  Minha pressão baixou pelo cansaço de empurrar a moto e pelo stress de perder o campeonato, acabei desmaiando…

2) Mundox – Retornando ao início do campeonato em Porto Velho. Aí, você venceu as duas baterias e em seguida, mais um terceiro e mais uma vitória em Buritis. Comente essa fase aí, por favor, que parecia que estava tudo sob controle.

Hugo Amaral – Me preparei muito para esse ano, fiz a minha pré-temporada com o Chumbinho e estava muito bem fisicamente e tecnicamente. Venci as duas baterias em Porto Velho, na minha cidade; estava muito nervoso mas consegui controlar o meu psicológico e venci. Já em Buritis recebi a segunda moto da Honda e fui direto para a corrida sem treinar com ela. No warm-up, o pneu furou na terceira volta e não consegui treinar direito com a moto, e fomos para a corrida.

Na primeira bateria vi que tinha algo de errado. Não conseguia acertar as marchas na pista, sempre errando, e no desespero de ultrapassar meus concorrentes, acabei caindo,  finalizando em terceiro. Na segunda bateria vi que a coroa da moto era dois dentes menor do que a coroa que eu era acostumado a correr. E rapidamente trocaram a coroa e fomos para a segunda bateria, larguei na frente e venci de ponta a ponta.

3) Mundox – A seguir, a fratura na sua clavícula mudou os rumos do campeonato. Seria interessante aproveitar e contar um pouco sobre a sua situação naquele momento, e a vontade de vencer, que o levou a não faltar em nenhuma das etapas, mesmo lesionado.

Hugo Amaral – Quando fraturei a clavícula eu não queria acreditar, porque no ano anterior eu tinha vencido todas as corridas e perdi o campeonato porque fraturei a clavícula também, e pensei que tinha perdido mais um campeonato. Com dez dias de fratura resolvi correr a terceira etapa, porque eu sabia que se não corresse iria ficar sem chances de recuperar os pontos ao decorrer do campeonato.

Tomei injeções para dor, meu pai colocou várias ataduras em meu ombro que literalmente ficou parecendo uma múmia rsrsrs… Corri com muita dor, sentindo o osso raspar um no outro, e graças a Deus, consegui terminar a prova na terceira colocação, que foi uma vitória, fiquei muito feliz, e ainda por cima fiquei a um ponto do primeiro colocado no campeonato.

4) Mundox – Apesar de tudo, você teve uma produção muito significativa, uma vez que foi o piloto que venceu mais vezes (sete) durante o campeonato. Como foi essa fase de treinamentos, misturados com corridas e recuperação ?

Hugo Amaral – Quando corri na terceira etapa com dez dias de fratura, tinha um calo ósseo, mas devido aos impactos que eu levei na corria ela quebrou novamente, e além de quebrar  no mesmo lugar, fraturei em mais dois locais a minha clavícula, e daí fiquei em repouso sem fazer praticamente nada só assistindo os DVDs de Motocross. Depois de 20 dias de repouso fui para  a quarta etapa sem treinar, porque havia tirado raio-x e constatou que ainda estava quebrado. Depois da corrida fui ao médico para tirar outro raio-x e ele viu que trincou toda a clavícula.

E voltei mais uma vez a ficar em casa me recuperando sem fazer nada. E fui para Machadinho onde foi a quinta etapa, com a clavícula trincada, sem treinar há mais de 50 dias. Larguei na frente e venci a prova. Fiquei muito feliz porque fiquei muito perto da liderança do campeonato. Na semana seguinte em Ariquemes, na sexta etapa fui sem treinar, porque quando eu corri em Machadinho, novamente teve um pequeno trincado na minha clavícula. Larguei na frente e venci as duas baterias ficando na liderança do campeonato e com uma boa vantagem sobre o segundo colocado.

5) Mundox – Gostaria que emitisse sua opinião sobre a reformulação das pistas em Rondônia.

Hugo Amaral – Nunca Rondônia teve pistas com o nível técnico tão elevado como teve este ano. Prova disso é a pista de Porto Velho, onde tinha um salto que era um verdadeiro show para o público.

6) Mundox – Se possível, seria interessante que emitisse também sua opinião sobre a organização das provas no Estado.

Hugo Amaral – O Campeonato Rondoniense hoje esta entre os três melhores campeonatos Estaduais do Brasil. Isso graças a competência do Reinaldo Selhorst, presidente da Federação de Rondônia, e mérito também dos membros dessa equipe, como o Marcelo, o Ronie e a Regina.

7) Mundox – Fale sobre a sua equipe, a Mastter Moto e sobre o Sidnei Matos, proprietário da equipe.

Hugo Amaral – O Sidnei é quase um pai pra mim. Ele realizou vários sonhos meus. Um deles era fazer parte da equipe Honda, que é o sonho de qualquer piloto de Motocross. Graças a ele eu consegui. Agradeço muito a ele por fazer parte da minha vida e por me deixar entrar na família Mastter Moto / Honda.

8) Mundox – Fala um pouco de você também, da sua vida particular em Porto Velho. Estudos, lazer, outros esportes.

Hugo Amaral – Minha vida hoje gira em torno do Motocross. Faço faculdade de Administração, e o meu lazer é o que eu gosto mais de fazer mesmo: andar de moto !! Rsrsrs

9) Mundox – Você participou durante o ano de algumas etapas da Superliga de Motocross. Como foram os resultados ?

Hugo Amaral – Tive alguns resultados positivos. Mas como era meu primeiro ano no circuito nacional, tive muitas dificuldades por não conhecer as pistas, que são muito diferentes daqui de Rondônia, mas para o ano que vem virei com uma experiência maior das pistas, e vou me dedicar e treinar muito para brigar entre os dez primeiros.

10) Mundox – Quais os planos para o próximo ano ? Continua na MX2 ?

Hugo Amaral – Sim, continuo na MX2. Porque no campeonato Rondoniense ainda não tem a categoria MX1, mas já treinei com a 450 e me senti muito a vontade treinando com ela. E assim que tiver essa categoria pretendo participar. Para o ano que vem pretendo continuar fazendo a Superliga e correr o Rondoniense de Motocross, e se Deus quiser, conquistar esse título tão esperado.

Mundox – E agora para finalizar, a palavra e o espaço são seus.

Hugo Amaral – Quero agradecer primeiramente aos meus patrocinadores: Mastter  Moto e a Honda, que me ajudam muito, e aos meus amigos verdadeiros que torcem pelo meu sucesso, que são o Sidnei, o Lander (gerente da Mastter Moto), o Aparício e o Pró. Fico muito feliz em ter vocês ao meu lado. Valeu galera !!  Um abraço a todos.

Perfil do piloto Hugo Amaral

Nome completo : Hugo Amaral
Data de nascimento : 18 de junho de 1991
Cidade onde nasceu : Porto Velho – RO.
Cidade onde mora : Porto Velho – RO.
Moto atual : Honda CRF 250R
Nome do pai : Rubens Amaral
Nome da mãe : Idália Amaral
Nome do mecânico : Batista
Telefone para contato : (69) 9209.5001
E-mail : [email protected]

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly