Pilotos do sul dominaram o Brasileiro de VX em Goiás

Por Adriano Winckler | Fotos por Divulgação | 25 de julho de 2011 - 8:07

Campeão em 2009, o paranaense Paulo Stedile assumiu neste domingo a liderança do cmpeonato Brasileiro de Velocross 2011 na categoria VX1, a principal da modalidade. Stedile superou o gaúcho Mateus ‘Tatu’ Basso em uma decisão bastante apertada, com apenas 0.812s de vantagem na disputa da terceira etapa do campeonato neste domingo, 24 de julho, em Anápolis, Goiás.

Com o resultado, Stedile e Basso chegaram aos mesmos 63 pontos na classificação geral, mas o piloto paranaense tem duas vitórias em três etapas. Lucas Basso foi o terceiro colocado na prova, enquanto o catarinense Lui Fietz, até então líder do Brasileiro, terminou em quarto e caiu para a terceira posição na classificação geral, mas apenas dois pontos atrás de Stedile e Basso.

O público compareceu em bom número na pista da Praça Polifuncional Fora de Estrada, do bairro Vivian Park. Foram mais de cinco mil pessoas, assistindo às disputas dentro da pista.

“Tudo deu certo e o evento foi um grande sucesso mais uma vez. Dentro da pista foram belas disputas e fora dela o público foi brindado com muita emoção”, declarou Roberto ‘Beto’ Boettcher, presidente da Federação de Motociclismo do Estado de Goiás – FMG.

Na categoria VX2, dobradinha da família Basso. Mateus venceu, mas com apenas 2,6s de vantagem sobre seu irmão Lucas. Lui Fietz foi o terceiro. Invicto na VX2, Mateus Basso soma 75 pontos na classificação geral, contra 62 de Fietz e 42 de Lucas.

Entre os mais experientes, na VX3 Importada, Fabiano Ribeiro cruzou a linha de chegada quase 24s à frente do segundo colocado, Nasri Sarkis. Risaldo do Carmo foi o terceiro. Na VX3 Nacional, vitória de Alessandro de Oliveira, seguido por Ailton Messias e Elder Piroli. Na classificação geral da VX3, Fabiano Ribeiro lidera com 70 pontos, contra 66 de Sarkis. Na VX3 Nacional, João Francener tem 68 pontos, contra 44 de Marcelo Marques.

Wolney de Lima foi o destaque entre as motos nacionais. O piloto venceu tanto na Força Livre quanto na 230cc, com Lucas Boettcher Frazão em segundo em ambas as categorias. A liderança, porém, segue com Jacson Keil, que soma 47 pontos na Força Livre e 50 na 230cc.

Paulo Stedile

Paulo Stedile

A terceira etapa do campeonato Brasileiro de Velocross 2011 e a primeira etapa do campeonato Goiano de Velocross foram uma realização da Prefeitura de Anápolis, com apoio de Mobil Super Moto MX. A supervisão foi da Federação de Motociclismo do Estado de Goiás – FMG, e da Confederação Brasileira de Motociclismo – CBM.

Resultado da terceira etapa do Brasileiro de Velocross 2011

Categoria  VX1
1º – Paulo Stedile
2º – Mateus Basso
3º – Lucas Basso
4º – Lui Fietz
5º – Marcos de Lima

Categoria VX2
1º – Mateus Basso
2º – Lucas Basso
3º – Lui Fietz
4º – Lucas Boettcher Frazão
5º – Luis Felipe Fietz

Categoria VX3 Importada
1º – Fabiano Ribeiro
2º – Nasri Sarkis
3º – Risaldo do Carmo
4º – João Francener
5º – Alexandre de Campos

Categoria VX3 Nacional
1º – Alessandro de Oliveira
2º – Ailton Messias
3º – Elder Piroli
4º – João Francener
5º – Roberto Boettcher

Categoria Força Livre Nacional
1º – Wolney de Lima
2º – Lucas Boettcher Frazão
3º – Rafael Dos Santos
4º – Yoshinori Noda Filho
5º – Preslei de Carli

Categoria 230
1º – Wolney de Lima
2º – Lucas Boettcher Frazão
3º – Marcos de Lima
4º – Rafael Dos Santos
5º – Preslei de Carli

Classificação do Brasileiro de Velocross 2011 após três etapas

Categoria VX1
1º – Paulo Stedile – 63 pontos
2º – Mateus Basso – 63
3º – Lui Fietz – 62
4º – Lucas Basso – 40
5º – Jeison Scheidt – 34 pontos

Categoria VX2
1º – Mateus Basso – 75 pontos
2º – Lui Fietz – 62
3º – Lucas Basso – 42
4º – Rodrigo Taborda – 40
5º – Tiago Pykocz – 33 pontos

Categoria VX3 Importada
1º – Fabiano Ribeiro – 70 pontos
2º – Nasri Sarkis – 66
3º – João Francener – 39
4º – Carlos Ribas Júnior – 33
5º – Marcelo Marques – 32 pontos

Categoria VX3 Nacional
1º – João Francener – 68 pontos
2º – Marcelo Marques – 44
3º – Bráulio Andrade – 36
4º – Elder Piroli – 35
5º – Adilson Hubner – 27 pontos

Categoria Força Livre Nacional
1º – Jacson Keil – 47 pontos
2º – Marcos Wudarski – 47
3º – Daniel Schmitz – 34
4º – Flávio Cassou – 29
5º – Douglas Korelo – 25 pontos

Categoria 230
1º – Jacson Keil – 50 pontos
2º – Preslei de Carli – 47
3º – Wyllyn Alves – 31
4º – Júlio Vaselkoski – 30
5º – Luiz Kovolczyk – 29 pontos

Compartilhe este conteúdo

Comentários

joao 25 disse:

Este comentário não foi incluído pelo fato do email informado não ser um email válido. Foi enviado um email para confirmação do autor do comentário, e o email voltou como endereço inválido. Evite ter seus comentários excluídos informando corretamente seu nome completo e seu email.

Fabiano Ribeiro disse:

na minha opinião tem um certo descaso da CBM sobre o velocross.
pq a 3ª etapa que foi realizada em anapolis (goias) teria logo no proximo domingo a 4 etapa em palmas(tocantins) que seria otimo para nós pilotos que ja estávamos lá era so ir mais 800km e tudo bem. ai por motivo desconhecido adiaram para dia 14 de agosto a etapa de tocantins. nós aqui do sul vamos vazer 3800km a mais . sendo que quem disputa todas etapas do brasileiro sempre é RS, SC, PR.
A CBM poderia a começar a dar uma atenção mais em especial as datas e estados a sediaren uma etapa do brasileiro de velocross.

Nasri Sarkiss disse:

Concordo com o Jackson

Jackson Luiz de Oliveira disse:

Ta ai mais uma vez a mostra de que fazer uma prova nessa distancia é pra inviabilizar o velocross,pois nenhum dos pilotos que estão efetivamente disputando fizeram menos de 1200 Km…a CB não ajuda em absolutamente nada,e na próxima semana semana será em Tocantins..Porque??Como disse o Jabuti,o campeonato é Brasileiro,mas fazer nessa distancia onde ngm anda pra marcar ponto é desanimador.

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly