Firmo Alves é o novo presidente da CBM

Por Adriano Winckler | Fotos por Divulgação | 12 de agosto de 2011 - 12:28

Foi eleita nesta sexta-feira, em Natal, Rio Grande do Norte, a nova diretoria da Confederação Brasileira de Motociclismo – CBM,  para o quadriênio 2011-2015. Por 18 votos a um, o presidente da Federação de Motociclismo do Estado do Mato Grosso do Sul – FEMEMS, Firmo Henrique Alves, foi eleito como presidente da entidade máxima do motociclismo no Brasil Firmo terá como seu 1º vice-presidente Roberto Boettcher, presidente da Federação de Motociclismo do Estado de Goiás – FMG, e como 2º vice Juvenal Alves, presidente da Federação Sergipana de Motociclismo – FSM.

“Para mim é uma honra ser presidente da maior entidade de motociclismo do meu país. Dedicarei com afinco todos os dias do meu mandato para a evolução constante do motociclismo brasileiro”, afirmou Firmo Alves ao receber o cargo.

Estiveram presentes na Assembléia representantes das Federações de SP, CE, MG, BA, GO, MS, PE, RN, PB, MA, RO, SC, AM, MT, TO, DF, AL, SE e ES. Por problemas de saúde, o presidente da Federação Gaúcha de Motociclismo – FGM, não esteve presente, bem como o presidente da Federação de Motociclismo do Piauí, por problemas no agendamento de seu vôo. As Federações do Acre, Pará, Rio de Janeiro e Paraná não enviaram representantes à eleição.

Juvenal Alves, Firmo Alves e Roberto Boettcher

Juvenal Alves, Firmo Alves e Roberto Boettcher

“Acho que nossos primeiros seis meses ainda serão bastante difíceis, mas dentro de um ano e meio tenho certeza de que podemos estar com a CBM em um patamar infinitamente superior ao que ela se encontra. A CBM não pode ser apenas uma CBCross. Precisamos fortalecer todas as modalidades, do Cross Country ao Rally, do Trial à Motovelocidade”, declarou Roberto Boettcher.

Boettcher e Firmo comemoram vitória nas eleições da CBM

Boettcher e Firmo comemoram vitória nas eleições da CBM

Como primeiro ato, assim que assumiu a mesa durante a Assembleia, Firmo Alves nomeou Assis Aquino como Diretor Geral e Rosângela Soprani como Diretora Financeira da CBM durante sua gestão. A Assembleia ainda tratou de Assuntos Gerais da entidade e suas Federações.

“Estou mais próximo a CBM. Poderei cobrar e fazer mais pela entidade, com projetos que tenho em mente e que os colocarei em prática. Anteriormente não tínhamos essa possibilidade. Serei uma ponte entre os pilotos e a CBM”, completou Juvenal Alves.

Clique aqui e confira entrevista com Juvenal Alves publicada em junho no Mundocross

Clique aqui e confira entrevista com Roberto Boettcher publicada em julho no Mundocross

Clique aqui e confira entrevista com Firmo Alves publicada em agosto no Mundocross

Compartilhe este conteúdo

Comentários

ANONIMO_MT disse:

Este comentário não foi incluído pelo fato do email informado não ser um email válido. Foi enviado um email para confirmação do autor do comentário e o email voltou como email inválido. Evite ter seus comentários excluídos informando corretamente seu nome completo e seu email.

Alex Bampi disse:

Com certeza uma grande escolha da CBM, conheço o trabalho do Firmo Alves a frente da FEMEMS durante muito tempo, pessoa de caráter sempre apoiou o motociclismo no estado do Mato Grosso do Sul.

Volney Lima disse:

Um exemplo que vem do futebol é o pres. do S.C. Corinthians Paulista o Andres sanchez; pra quem não se lebra ele fazia parte da administração do então presidente Alberto Dualib, que com ele o Corinthians chegou ao fundo do posso, tanto no futebol quanto nos meios policiais. E Hoje em dia o Andres é presidente do clube, e tem sido ótimo administrador, pois ele com estrágias de Markenting ousadas tem feito o clube decolar ecomonicamente, com contruçã de CT, contratações de grndes jogadores e áté viabilizou a construção de estádio próprio. Lógico que a CBM não é um clube, mas temos que torcer para quem entrar faça uma administração digna e que consiga tornar a CBM grande e respeitada. Quero dizer que ainda temos que confiar em quem for eleito, pois para muitos os candidatos que estão na luta, podem até não ser os melhores para muitos, mas foram os que se colocaram a dirigir a entidade maxima do motociclismo nacional; e eles sabem que não podem cometer mais os erros do anterior. Mas cabe também aos grandes interessados (pilotos e filiados) junto com a entidade com os representa formarem uma comissão e proporem idéias e projetos que sejam relevância em prol das modadlidades motociclisticas, pois só ficar questionando não dá.
Tenho repitido em alguns comentários, que no dia que os pilotos que são as estrelas do meio, se unirem de fato em torno de um projeto ambioso que atendam a eles, patrocinadores e os fã é que daremos uma guinada em termos de popularidade no esporte.
Um exemplo no EUA como foi mencionado na reportagem que acontece um dos maiores eventos nas categorias de base do motocros no Rancho da famosa cantora Loretta Lynn’s; No Brasil temos um dos maiores Parque temático do mundo, que recentemente construiu um complexo voltado ao motocross; porque não eles idealizarem uma competição + ou – nos moldes da competição americana; pois a estrutura eles já tem, e juntaria num evento como este o util e o agradavel, pois os mini-pilotos além de competirem numa bela pista e numa competição de alto nivel, ainda teriam um belo parque para junto com seus familiares relaxarem antes e depois das corridas. Só basta nossos dirigentes quererem, pois não é complicado criar no Brasil um evento assim.
Pra encerrar, independentemente de quem seja o presidente eleito, os pilotos espalhados por este país junto com a ABPMX, formularem um documento e encaminharem a Honda cobrando desta marca imparcialidade nos eventos esportivos em que ela atua, para que a mesma possa sentir a força dos pilotos que muitas vezes compram suas motos Honda as duras penas, e acabam as vezes vendo atitudes questionaveis por parte dos dirigentes da mesma que acabam nos indignando com a mesma. Pois o sol nasce p/ todos, então todos tem direitos de lutarem pelo título de qualquer competição e com qualquer equipamento.

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly