10P Mundocross para Mateus Basso

Por Jorge Soares | Fotos por Bolívar Trindade | 30 de agosto de 2011 - 7:44

O entrevistado do mês no 10P Mundocross é um piloto que vem se destacando no Velocross nacional na temporada 2011. Pelo apelido já dá para ver que ele gosta de andar na terra. Em 2010 ele competiu no campeonato Gaúcho de Veloterra, que no resto do Brasil é Velocross, e se deu bem na categoria de motovelocidade em terra. O entrevistado do mês de agosto aqui no Mundocross é o gaúcho Mateus Basso, o ‘Tatu’.

Ele é o atual campeão Gaúcho de Motocross na categoria Intermediária MX1 e campeão Gaúcho de Veloterra VX1 e VX2. Tatu mora em Gentil, na região norte do Rio Grande do Sul, e é irmão do Lucas e da Maiara, e namora a catarinense Janaina Todeschini, que também são pilotos de Motocross.

A cada temporada Tatu vem evoluindo a sua pilotagem, e com isto já é um dos grandes nomes do Motocross e Velocross Gaúcho, e em 2011 é destaque no Velocross Brasileiro, liderando as categorias VX1 e VX2.

Para saber um pouco mais de Mateus ‘Tatu’ Basso, leia agora com exclusividade aqui no Mundocross, a entrevista com 10 perguntas para este jovem piloto, que tem um grande futuro nas pistas de Velocross e Motocross pelo Brasil afora.

Placa de 5 segundos no ar : Largou…

1) Mundox – Para dar uma quebrada no gelo e também para a galera saber um pouco da tua história, conta aí pros leitores do Mundocross como foi o teu início no Motocross.

Mateus Basso – Eu e meu irmão, o Lucas, sempre gostamos de moto. Desde pequenos nós íamos a Marau e Casca (cidades vizinhas a Gentil) nas corridas que tinha do Gaúcho de Motocross, e o Lucas pediu uma moto para o pai e ganhou. Então ele começou a fazer Trilha e depois de um tempo, uns dois meses, ele começou a ir nas corrida de Velocross. E eu que sempre acompanhava, vi as motos pequenas e achei legal.

Comecei a pedir uma moto pro meu pai. Daí uns 4, 5 dias antes de meu aniversario ganhei uma moto Kawasaki KX 65cc e treinei um pouco, e já no domingo, dia 14 de março de 2004, que era meu aniversario, fui correr a minha primeira prova em Coxilha. Larguei em primeiro e cai. Fiz uma corrida boa por ser a primeira e gostei muito. Então comecei andar todos fim de semana até hoje.

Mateus 'Tatu' Basso

Mateus 'Tatu' Basso

2) Mundox –  Tatu, você é um piloto que se destacou primeiro no Motocross e agora vem competindo em alto nível no Velocross. O que te fez praticar o Velocross no ano passado e neste ano ?

Mateus Basso – Na verdade eu comecei a correr no Velocross, andei um ano Velocross, e depois comecei a praticar Motocross. No começo foi bem difícil pois não consiguia saltar, e tive bastante lesões, me machuquei em quase todos os anos fora o de 2010. No ano de 2010 teve uma corrida em Passo Fundo (cidade na região norte do Rio Grande do Sul), que foi o campeonato Brasileiro e Gaúcho de Velocross.

Como a corrida era perto de casa, nós fomos andar. Fiz uma boa corrida, sendo que na VX2 ganhei, e na VX1 cai na terceira curva após a largada. Fiz uma prova de recuperação e acabei em quinto. Vi que podia andar entre os lideres no Brasileiro de Velocross, então eu e o Lucas decidimos que esse ano iríamos fazer o Brasileiro e o Gaúcho de Velocross.

3) Mundox – E como você está desde o ano passado praticando o Velocross e também o Motocross, como tem sido a tua preparação física e também os treinos com moto ? Você tem feito algo diferente do que fazia quando disputava somente o Motocross ?

Mateus Basso – A minha preparação física desse ano mudou bastante. Até ano passado as baterias eram de 10 ou 15 minutos no máximo. Já esse ano no Motocross eu subi para a MX2 e as corrida são de 20 minutos e duas voltas, e no Brasileiro de Velocross também é 20 minutos, onde exige muito mais preparo físico. A minha preparação física é três vez por semana academia e três vez por semana treino com moto, e não tem dias certos para cada coisa, tudo depende da semana e do tempo, pois quando chove eu não treino com moto.

4) Mundox – Qual é a tua fonte de inspiração para cuidar da alimentação, e ao você acordar todos os dias, ou ir se preparar fisicamente, ou ir treinar com a moto e ainda encarar longas viagens pelo Brasil afora ?

Mateus Basso – A grande inspiração é a vontade de vencer, pois a vida de piloto não é nada fácil, pois alem dos treinos de moto e academia, eu tenho ainda a faculdade todas as noites. Procuro sempre acordar cedo, e aí de manhã  treino ou academia, e de tarde também, um ou outro. Sempre procuro me alimentar bem, comer coisas saudáveis, e nos treinos com a moto me dedico bastante para poder ter bons resultados.

Jana Todeschini e Tatu Basso. Amar é ... lavar a moto juntos !!!

Jana Todeschini e Tatu Basso. Amar é ... lavar a moto juntos !!!

5) Mundox – Recentemente você foi convocado pela Federação Gaúcha de Motociclismo para representar o Rio Grande do Sul na segunda etapa do Latino de Motocross MX2, disputada na cidade de Pimenta Bueno, em Rondônia. Conte para nós como foi está tua experiência em um campeonato internacional.

Mateus Basso – Sempre que eu via provas do Latino eu pensava em algum dia correr, e graças aos meus resultados do Gaúcho de Motocross deste ano, no qual eu sou líder na MX2, fui convidado para correr. Na hora que recebi o convite eu já sabia que teria grandes pilotos  disputando a etapa, já que não eram só pilotos brasileiros, e sim de toda a América Latina, e que não seria nada fácil obter um resultado bom.

Quando cheguei na pista vi uma das melhores pistas do Brasil. Um traçado muito bom e um terreno muito arenoso, o que dificultou ainda mais a prova para mim, porque não sou acostumado a andar nesse tipo de terreno. Foram vários treinos até a corrida, onde me adaptei bem a pista. Era uma pista bem técnica e com todos os buracos e canaletas exigiu muito mais preparo físico. Foram duas baterias de 30 minutos e duas voltas, onde na primeira bateria choveu e com isso acabei na 18ª posição.

Já na segunda bateria, com a pista mais seca, consegui terminar em 13º, em uma prova de recuperação, já que na primeira volta cai no salto de chegada, e sai de último. Com esses resultados consegui a 16ª posição geral da etapa. Sai de lá muito feliz com o resultado e com a experiência que tive com os melhores pilotos da América Latina. Essa etapa me ajudou muito para correr a quarta etapa do Brasileiro Velocross, que foi disputado na areia.

6) Mundox – Qual é o teu maior sonho dentro do Velocross, e também no Motocross ?

Mateus Basso – O meu grande sonho é ser um piloto profissional e viver do Motocross e Velocross. Mas como isso é difícil, meu sonho é ser um piloto conhecido em todo Brasil.

7) Mundox – Como está hoje o Motocross e o Velocross na sua vida. Ser piloto é algo que está sendo levado para o lado do profissionalismo, ou como esporte ?

Mateus Basso – Nos últimos anos estou levando muito a serio o esporte. Eu me dedico bastante para conseguir ter bons resultados. Futuramente não sei o que eu quero. Com certeza que eu queria viver só do esporte, mas como que no Brasil arrumar patrocinadores não é muito fácil, vou permanecer no esporte até que minha familia me apoie, depois decidirei o que vou fazer. Se vou andar de moto, ou vou trabalhar nos negócios da família.

Sequência de fotos de Tatu Basso clicadas por Bolívar Trindade

Sequência de fotos de Tatu Basso clicadas por Bolívar Trindade

8) Mundox – O que você costuma fazer nas horas de folga ?

Mateus Basso – Nas horas de folga eu estudo, porque faço faculdade todas às noites. Ajudo meus pais no escritório, e aproveito pra namorar hehehehe

9) Mundox – O que você acha do nível, do tratamento da terra e dos traçados das pistas de Velocross no Brasil, tanto no campeonato Estadual, como no Brasileiro ? O que você acha que deveria ser mudado para melhorar ?

Mateus Basso – O traçado das pistas do Brasileiro não dá para reclamar. Já no tratamento das pistas, tiveram algumas etapas que deixou a desejar, porque não molharam nem gradearam a pista, com isso  tinha muita poeira e o chão acabou ficando muito duro. E no Gaúcho não ocorreu esse problema, sendo que o tratamento das pistas foram bem, e os traçados estão bons. O que eles deveriam mudar seria isso: gradear e molhar mais.

10) Mundox – No sentido de procurar ajudar no desenvolvimento do Velocross, tanto no campeonato Gaúcho, como no Brasileiro, será muito importante que você emita sua opinião sobre a organização das provas, e dos campeonatos.

Mateus Basso – Sobre a organização do Brasileiro de Velocross tem que mudar bastante. Eles deviam definir uma equipe só para realizar o Brasileiro, porque do jeito que está, não tem como. Porque cada etapa tem um horário, uma premiação, cada Estado faz do seu jeito, e as data mudam muito, e com isso não tem como os pilotos se programarem para viajar.

Mundox – Agora a palavra e o espaço são seus.

Mateus Basso – Quero agradecer a você Jorge, pelo espaço dado aqui no Mundocross. Agradecer a toda minha família e minha namorada (Janaina) pelo incentivo e agradecer a todos que torcem por mim. Um abraço !!!

Perfil do piloto Mateus Basso
Nome completo : Mateus Fávero Basso
Data de nascimento : 14 de março de 1992
Cidade onde nasceu : Marau – RS.
Cidade onde mora : Gentil – RS.
Apelido : Tatu
Motos atuais : Kawasaki KXF 450 e KXF 250
Principais títulos : Campeão Gaúcho de Velocross VX1 e VX2 2010
Ídolo no Velocross Nacional : Paulo Stedile
Ídolo no Motocross Nacional : Douglas ‘Duda’ Parise
Pista de Velocross favorita no Rio Grande do Sul : Jaguarão
Pista de Velocross favorita no Brasil : Palmas
Comida favorita : Lasanha
Bebida favorita : Fanta uva
Comida nos dias de corridas : Lasanha
Bebida nas corridas : Fanta uva
Lazer preferido : Namorar
Esporte preferido fora o Velocross e o Motocross : Não pratico outro
E-mail : [email protected]

Compartilhe este conteúdo

Comentários

deividi disse:

isso tatu voce é um grande piloto e tem chance de ser camepao gaucho e brasileiro é so querer para ter

Jana Todeschini disse:

Twitter: todeschinijanaa
acorda ceeeedo? HAHAHAHAHAHAHAHHAHAHA taaaaaaaaaaa bom amor! eu madrugo então.
parabéns pelo que você é!
beijos, amo muito voce (:

alem de ser um grande piloto, e um otimo carater, cara humilde e amigo, parabens mateus, futuro campeao brasileiro, vai la.

Fabiano Ribeiro disse:

parabens tatu pela intrevista.
so não vale mentir que acorda cedo hihihihihihi. quanto te ligo la pelas 8:30 8:45 vc ainda ta dormindo hahahahaha.
Parabens Jorge pelo espaço que vc tem dado ous pilotos do rs .so asim poderemos um dia ter um esporte melhor, com apoiadores e patrocinadores de peso.
VALEUU TATUU…….

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly