Lição valiosa, porém aprendida da pior maneira

Por Renato Dalzochio Jr. | Foto por Renato Dalzochio | 11 de maio de 2012 - 8:17

Pessoal, gostaria de fazer um desabafo hoje, compartilhando com vocês o aprendizado que eu e meu pai tivemos recentemente com uma situação muito ruim na qual nos vimos obrigados a passar, e que não desejamos para ninguém.

Inicialmente tínhamos planejado ir assistir a quarta etapa do AMA Supercross 2012 em Oakland e a quinta em Anaheim. Mas devido a um contratempo ocorrido com um amigo que iria viajar junto com a gente, decidimos adiar a viagem e ir em maio assistir a final em Las Vegas. Mas como já estávamos com as passagens compradas e pagando as parcelas, apenas realizamos uma troca de datas.

E foi exatamente ai que ocorreu um erro grave. Nesta troca de datas esqueceram de trocar os códigos de reservas das nossas passagens e ficamos sabendo disso somente no dia da viagem, quando estávamos no aeroporto no exato momento do check-in, quando a ausência de tais códigos impedia a emissão delas e nada mais poderia ser feito.

Nem preciso dizer o quanto ficamos frustrados. Nossa sonhada viagem virou caso de advogado, porque agora nem a companhia aérea, nem o pessoal da agência de viagens quer admitir o erro e assumir a responsabilidade de arcar com os danos morais e financeiros.

Renato com Hannah, Hansen e Smith em Phoenix 2011

Renato com Hannah, Hansen e Smith em Phoenix 2011

Nossa missão agora está sendo descobrir de quem foi erro e posteriormente cobrar do responsável nossos direitos e todo o prejuízo financeiro e moral que tivemos. Minha dica através desta dolorosa lição é que vocês leitores, ao decidirem viajar para o exterior, seja para realizar o sonho de assistir o AMA Supercross ou por qualquer outro motivo, que antes procurem pesquisar e se informar da idoneidade das companhias áreas e das agências, antes de tomar uma decisão de compra.

Pode parecer uma dica simples e até óbvia demais, mas somente depois que passamos por uma situação assim, nos damos conta da importância desta atitude, que pode evitar muitos transtornos e constrangimentos desnecessários.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Renato Dalzochio Jr disse:

Com crtza Silvio, alguem vai ter que se responsabilizar pelo prejuízo moral e financeiro, nada apaga a frustração, mas pelo menos tem como aliviar um pouco né ;)

Abraço!

Kleber disse:

Não importa de quem foi o erro, pois, é responsabilidade objetiva da pessoa jurídica, basta comprovar o dano, o problema é o valor da indenização que deverá ser baixo, como o judiciário recebe passagem de graça, a gente é sempre desvalorizado nestas causas.
No mais, é causa ganha, contrate um advogado e escolha entre o Juizado Normal ou o JEC.

silvio luis pacheco disse:

é isto aí amigo apure os fatos porque alguem tem que se responsabilizar realmente voces passaram por horas muitos dificeis e a pior coisa é planejar uma viagem e chegar na hora por incopetencia de alguem não poder ir ao seu destino boa srte

Renato Dalzochio Jr disse:

Tem toda razão Alexandre, apesar de toda a raiva e frustração, Deus sabe oq faz, se não foi dessa vez não era pra ser, mas ano que vem com crtza vai da td certo =)

Abraço e brigado pelo desejo de sorte!

renato alexandre disse:

puxa amigo que coisa…imagino a raiva…
Mas eu penso da segte maneira. Houve um erro, que ninguem percebeu antes…e Deus sabe sempre o que faz.
Ano que vem tem mais.
Boa sorte.

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly