Mundial de Motocross 2012 – 4ª etapa – México

Por Renato Dalzochio Jr. | Fotos por Ray Archer | 15 de maio de 2012 - 8:39

Após a realização das três primeiras etapas na Europa, o Mundial de Motocross 2012 desembarcou em terras Latino-Americanas, com a primeira parada neste fim de semana em Guadalajara, no México, e a próxima no fim de semana que vem no Brasil, em Penha, Santa Catarina.

Na MX1, o atual campeão Antonio Cairoli voltou a vencer um overall e ampliou sua vantagem na liderança. O mesmo fez seu companheiro de equipe, Jeffrey Herlings, na MX2. Confira como foi o evento deste último domingo, 13 de maio.

Categoria MX1

Cairoli faturou o overall ao vencer a primeira bateria e finalizar em terceiro na segunda. Na primeira, após os 10 minutos iniciais de corrida, o italiano encontrou seu ritmo e conseguiu ultrapassar Desalle e Pourcel, garantindo a vitória. Na segunda bateria, um quase tombo fez Cairoli começar a corrida na sexta posição, e ele teve que trabalhar muito para terminar em terceiro e garantir a vitória no overall.

Antonio Cairoli

Antonio Cairoli

Desalle terminou em segundo nas duas baterias e por apenas um ponto não venceu seu primeiro overall. Após uma consistente corrida na primeira bateria, na segunda o belga largou em terceiro e nos últimos minutos brigou pela vitória com Philippaerts. No final o italiano impôs um ritmo incrível e Desalle teve que se contentar com o segundo lugar.

Na primeira bateria, Philippaerts sofreu um forte tombo. No entanto, o italiano não desistiu e terminou em décimo. Já na segunda fez uma prova excepcional, largando na sexta posição e vencendo a corrida ao impor um ritmo excelente, completando o pódio do overall na terceira posição.

Clement Desalle

Clement Desalle

Ken De Dycker obteve seu melhor resultado até agora na temporada. Na primeira bateria ele terminou em terceiro. Na segunda não foi tão bem e finalizou em quinto, obtendo a quarta posição no overall, poucos pontos atrás de Philippaerts.

Foi um dos melhores finais de semana também para o estoniano Tanel Leok, que completou os cinco primeiros ao finalizar em sexto nas duas baterias. Na primeira largou em décimo segundo e terminou em sexto. Na segunda foi mais consistente, mantendo a sexta posição do início ao fim da bateria.

Largada da categoria MX1 no México

Largada da categoria MX1 no México

Christophe Pourcel fez o holeshot nas duas baterias, mas não conseguiu manter a liderança em nenhuma delas. Na primeira, alguns marcadores da pista enroscaram na roda traseira de sua moto quando o francês ocupava a quarta posição, o que o fez perder muito tempo na hora de removê-los. Na segunda, não foi capaz de manter o ritmo de seus principais adversários e cruzou a linha de chegada na quarta posição. No overall foi apenas o décimo.

Resultado da quarta etapa do Mundial de Motocross MX1
1. Antonio Cairoli (KTM)
2. Clement Desalle (Suzuki)
3. David Philippaerts (Yamaha)
4. Ken de Dycker (KTM)
5. Tanel Leok (Suzuki)
6. Xavier Boog (Kawasaki)
7. Kevin Strijbos (KTM)
8. Jonathan Barragan (Honda)
9. Rui Goncalves (Honda)
10. Christophe Pourcel (Kawasaki)

Classificação  da categoria MX1 após quatro etapas
1. Antonio Cairoli – 178 pontos (2 vitórias)
2. Clement Desalle – 149
3. Gautier Paulin – 134 (1 vitória)
4. Ken de Dycker – 131
5. Christophe Pourcel – 129 (1 vitória)
6. David Philippaerts – 105
7. Kevin Strijbos – 103
8. Xavier Boog – 99
9. Tanel Leok – 92
10. Rui Gonçalves – 79 pontos

Categoria MX2

Jeffrey Herlings teve outro fim de semana perfeito, vencendo as duas baterias com autoridade soberba. Na primeira largou em quinto, mas rapidamente alcançou a liderança, o que aconteceu na quarta volta. A partir daí o holandês impôs o seu ritmo, mesmo tendo problemas com seus óculos. Na segunda bateria largou em primeiro e liderou do início ao fim, cruzando a linha de chegada com 25 segundos de vantagem sobre o britânico Tommy Searle.

Jeffrey Herlings

Jeffrey Herlings

Searle foi o segundo no overall depois de terminar nesta mesma posição nas duas baterias. Na primeira teve que se esforçar um pouco para garantir a segunda posição. Na segunda largou melhor, mas cometeu um erro na primeira volta e retornou na nona posição. No entanto, conseguiu mais uma vez se recuperar rapidamente e terminar em segundo.

Jeremy Van Horebeek conseguiu voltar ao pódio neste fim de semana ao finalizar em terceiro no overall, mantendo a vice-liderança no campeonato, um ponto a frente de Searle. Horebeek fez o holeshot nas duas baterias. Na primeira liderou as três voltas iniciais e finalizou em terceiro. Na segunda, mesmo cansado devido ao esforço excessivo da corrida anterior, foi novamente o terceiro e completou o pódio nesta mesma posição.

Team KTM comemorando a dupla vitória no México

Team KTM comemorando a dupla vitória no México

Joel Roelants voltou ao campeonato após o acidente sofrido na primeira bateria do GP da Itália. O quarto lugar no overall mostrou que ele está em forma novamente. Na primeira bateria Roelants não largou bem e terminou em sexto. Na segunda fez uma corrida mais sólida e garantiu a quarta posição.

O francês Christophe Charlier obteve seu melhor resultado até agora na temporada neste fim de semana, ao completar os cinco primeiros do overall. Voltando de uma lesão no pé direito, Charlier mostrou-se satisfeito com o quinto lugar e se disse ansioso pelo GP do Brasil, para tentar um resultado ainda melhor.

Resultado geral da quarta etapa do Mundial de Motocross MX2
1. Jeffrey Herlings (KTM)
2. Tommy Searle (Kawasaki)
3. Jeremy van Horebeek (KTM)
4. Joel Roelants (Kawasaki)
5. Christophe Charlier (Yamaha)
6. Jordi Tixier (KTM)
7. Jake Nicholls (KTM)
8. Max Anstie (Honda)
9. Glenn Coldenhoff (KTM)
10. Alessandro Lupino (Husqvarna)

Classificação da categoria MX2 após quatro etapas
1. Jeffrey Herlings – 194 pontos (4 vitórias)
2. Jeremy van Horebeek – 154
3. Tommy Searle – 153
4. Joel Roelants – 118
5. Jordi Tixier – 107
6. Max Anstie – 105
7. Jake Nicholls – 95
8. Dylan Ferrandis – 91
9. Alessandro Lupino – 80
10. Harri Kullas – 76 pontos

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly