Pilotos de MS fizeram a festa no Brasileiro de VX

Por Rafael Domingos | Foto por Divulgação | 15 de maio de 2012 - 7:23

Não teve para ninguém durante a terceira etapa do campeonato Brasileiro de Velocross 2012, em Sete Quedas, distante 500 km de Campo Grande  capital de Mato Grosso do Sul. Correndo em casa o piloto sul-matogrossense Carlos Eduardo dominou de ponta a ponta as categorias VX1 e VX2 no evento disputado neste domingo, 13 de maio.

Os ventos fortes e a chuva que caiu na sexta-feira, não prejudicaram a corrida do piloto Carlos Eduardo que corria em casa, ao cair o gate, o piloto sete-quedense saltou na frente mantendo a liderança até o fim da bateria, deixando a disputa de segundo lugar entre o atual líder do campeonato Lucas Basso e Paulo Stedile.

Lucas Basso não fez feio assegurando a segunda colocação e mantendo a liderança do campeonato, Paulo Stedile ficou apenas com a terceira colocação.

Lucas Basso continua líder do Brasileiro de Velocross

Lucas Basso continua líder do Brasileiro de Velocross

“Fiz uma boa largada e a pista estava favorável, o que fiz foi administrar as minhas voltas”, afirma Carlos Eduardo, deixando para trás dois dos principais pilotos da modalidade.

Para o presidente da Federação de Motociclismo de Mato Grosso do Sul, André Azambuja, Carlos Eduardo teria um excelente desempenho se acompanhasse as etapas do brasileiro “sinto pelo Carlos não competir no Brasileiro, acredito que teria uma reviravolta no ranking nacional tendo possivelmente um piloto de MS nas cabeças”, conta André.

O resultado da VX2 foi o mesmo nas duas primeiras colocações, com Carlos Eduardo saltando novamente na frente, deixando o piloto gaúcho Lucas Basso comendo poeira em segundo lugar. Já o número dois do ranking Paulo Stedile, perdeu posição para Jackson Keil nas últimas voltas e ficou apenas com a quarta colocação.

Nem mesmo os 18 pontos ganhos por Marcelo Marques na quarta posição da VX3 Nacional, foram suficientes para permanecer na liderança.  Como a vitória na etapa de Sete Quedas foi para Alvaro Campos Junior, o piloto paranaense assumiu a liderança totalizando 69 pontos, um a mais que Marcelo Marques.

Na VX3 Especial, assim como na VX1 e VX2, a etapa foi conquistada por mais um piloto Sul-matogrossens. Desta vez, Flávio Brito levou a melhor por uma questão de sorte. Largando na frente o atual líder do campeonato, Fabiano Ribeiro estava fazendo uma prova tranqüila até que na placa de duas voltas acabou caindo, deixando a vitória da etapa para o piloto Rio-verdense Flávio Brito. Fabiano ficou em segundo lugar e Maiara Basso em terceiro.

Na Nacional Força Livre e na 230cc 4T, Jackson Keil liderou de ponta a ponta, assim como Preslei de Carli segundo nas duas categorias, a liderança de Jackson garantiu a liderança isolada em ambas as categorias.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

fabiano ribeiro disse:

Boa noite
Concordo plenamente com o Sarkiss se nos quizermos nos mostramos pra eles que sem nos pilotos, as estapas do brasileiro viram apenas um estadual ou regional.
tambem voto por não ter mais etapa no MS

sarkiss #153 disse:

Paulinho,Lipi,Lui,Fabiano,Sarkiss,Jacson Keil,Marcelo Marques,Lucas,Mateus e Maiara Basso…são esses os pilotos que fazem o Campeonato acontecer…sem nós,não tem Brasileiro.
Sendo assim,basta não irmos!!!
Até os oragnizadores criarem um pouco de vergonha e respeito pelos pilotos…só assim a situação vai melhorar!
Voto por anulação da Etapa do MS e boicte de Goiás.

Lui Fietz disse:

Não trataram os pilotos como se deve. Apos a prova da Vx1 Eu meu irmão, os Basso, o Stedile nao acreditavamos no que tinha acabado de acontecer. Viajamos 900km para andar 8 minutos no escuro?? Ninguem comentava o resultado, indiferente de ganhar ou perder todos se sentiram lezados!

Ja coloco aqui a ausencia do meu irmão Luis Felipe Fietz que vinha disputando o campeonato na prova de Anapolis – GO

PAULO STEDILE disse:

Posto aqui minha indignação quanto ao Campeonato Brasileiro de Velocross, em Sete Quedas…. Onde os pilotos se reúnem de vários estados, no meu caso percorro mil km… investimos, buscamos patrocinio, uma estrutura que envolve empresas, vidas e famílias, para chegar ao evento tão esperado… sem sinalização, sem programação, treinos atrazados por falta de ambulâncias,etc a prova de VX1 mais parecia uma prova noturna!!! Mas as motos não tinham luz… rs… colocando em risco a integridade de todos os pilotos, prova que teria uma duração de 20 min mais 2 voltas, tornou-se 10min …
Tudo isso nos preocupa muito pois afastam empresas, apoiadores, equipes, pessoas serias que poderiam fazer a diferença no nosso esporte!tinha ate um senhor no meio da pista com uma bandeira azul, so que ele mostrava a bandeira so para benificiar os pilotos que ele queria rs rs rs .
Coloco estas palavras para pensarmos que futuro nos reserva com esta atual situação…. Pois a mim me preocupa muito pois as Competições fazem parte dos Apaixonados pelo Velocross…

sarkiss #153 disse:

Caro Carlos Marelli

Sou piloto de MX e VX e diretor técnico da ABPMX no VX ,entendo que queria se retratar no que for possível.
Mas é inadmissível tantos fatos negativos em qualquer prova que seja,colocando em risco a integridade física dos pilotos,sendo Brasileiro,estadual ou qualquer prova que seja
Se uma entidade não tem a mínima condição de organizar uma corrida,devem deixar pra quem tem capacidade e estrutura.
Os fatos já estão sendo apurados e vamos tomar as providências a respeito da etapa no MS.
Também estou conversando com todos os pilotos que são na verdade os que realmente fazem o Campeonato acontecer,e por quem as Federações e por suas vez a CBM tem o dever de trabalhar,e que merecem mais respeito por parte de orgenisadores e entidades responsáveis pelo esporte.

ISSO TEM QUE ACABAR!!!

Sem mais!!!

Nasri Sarkiss

fabiano ribeiro disse:

Boa noite Carlos
Referente a cronometagem do Escadinha e esposa estava tudo ok.vc imagina se eles não estivesem la.
quanto a agua .essa sim faltou na pista e nos box no meio da tarde de domingo,ou se pelo menos tivesem pasado a maquina como vc falou ja teria amenizado pq teve muita poeira nas ultimas baterias.
As informaçoes que o moto clube te pasou foram so as de intereçe deles , onde os matogrosenses deixaram os lideres do brasileiro comendo poeira.por ex. as categorias força livre nacional- a 230cc- a vx3 nacional foram vencidas por pilotos catarinenses . então quer dizer que os pilotos catarinenses deixaram eles comendo poeira tambem?
Opinião particular minha é que a fraze (comendo poeira )foi um pouco pesada.
Na segunda etapa aqui no RS nos gauchos vencemos acho que 80% das baterias . E nossa acesoria de emprensa em momento algum faltou com o respeito com pilotos ou estado nenhun .
Sim vc tem razão o VX não tem prestigio perante o MX.
Talves quando nos pilotos pudermos escolher nosso presitente da cbm e das federaçoes esdaduais isso mude.
Fabiano Ribeiro #75

Como Assessor de Imprensa da FEMEMS, só posso concordar e assinar embaixo o que foi dito pelo Fabiano. Aliás, quando me informaram que seriam 12 baterias, a primeira coisa que fiz foi checar o site do Cptec/Inpe para ver o horário local do pôr-do-sol… 17h15! No Domingo, ainda “surgiu” outra categoria: Pratas da Casa. Pensei… Não vai dar certo. 13 Baterias! T-r-e-ze…. O locutor da prova conduzia uma motocicleta quando foi ‘atropelado’ por uma pick-up e morreu no local do acidente, sábado pela manhã. Chamamos o Reinaldo Ayala, de Campo Grande. O pai do Firmo Henrique Alves foi internado na sexta-feira, em estado grave, na capital Campo Grande.
Realmente, eu ‘divulguei’ as informações fornecidas pelo Moto Clube Sete Quedas. Quando chegamos na cidade, realmente estava tudo quase que por fazer… Faltou pessoal e eu e a equipe sofreu duas baixas de última hora. Resultado: Tive que me desdobrar em quatro (Jornalista, Assessoria, Fotógrafo, Secretaria). Isto, foi só o começo. Devo reconhecer o trabalho heróico de toda a equipe de funcionários e prestadores de serviço da FEMEMS, especialmente a do Escadinha e sua esposa, Luísa, ambos da federação goiana – pelo excelente trabalho na cronometragem – A estimativa do Escadinha era que o evento encerrar-se-ia às 18h30… Ou seja: Não ia dar mesmo!
Os treinos atrasaram pois não havia chegado a UTI no local. Após os treinos, o médico se ausentou da pista dizendo que ia demorar “vinte minutinhos” e levou quase uma hora e meia para retornar… Mais atrasos. Era dia da “Mãe” dele e de todos nós. Compromisso é compromisso… e ele falhou feio!
Com relação à entrega de troféus, a organização era do Moto Clube. Já o pagamento dos pilotos era de responsabilidade do secretário, que não foi à Sete Quedas e deixou a ‘mala preta’ para o presidente, André Azambuja.
Explica? Explica, mas não justifica… Espero que a FEMEMS e o Moto Clube Sete Quedas repensem todos os erros, estudem o caso a sério para que, no futuro, não se repitam.
Sobre a água… Caiu um temporal na sexta-feira que pensei até que a Etapa seria cancelada caso chovese mais ainda no sábado. Se faltou água, não foi na pista. Era só passar a máquina que ela ficava “zero” – novinha em folha.
Realmente, o VX não tem o prestígio e nem os aportes do MX. Não cabe a mim discutir isso. Cabe sim, a todos os pilotos e amantes do motociclismo.
Carlos Marelli

Fabiano Ribeiro disse:

obrigaduu
valeuu Jorge

Jorge Soares disse:

Twitter: mundocross
Oi Fabiano !!

É que eu estava em São Paulo hoje e só tive acesso a internet pela manhã e no restante do dia naum pude acessar.

Cheguei de viagem agora a pouco e aí liberei os coments que estavaum pendentes.

Falowwww

Jorge

fabiano ribeiro disse:

boa noite
fiz um comentario hoje pela manha e vcs ainda nao postaram
espero que não seja pq estou falando umas verdades da femems e cbm

Fabiano Ribeiro disse:

Fabiano Ribeiro
Realmente os pilotos gauchos comeram poeira na eatapa do ms. (Segundo informações da CBM)
Nos comemos poeira pela falta de agua na pista , falta de agua nos banheiros. banheiros imundos sem uma igiene descente .falta de agua no box sem falar na total desorganização da FEMEMS. Estavam todos perdidos sem saber o que fazer os trenos começaram eram quase 10:00 sendo que o horario era pra ser as 8:30 final da tarde fizeram a bateria da vx3 de 8 minutos a vx1 aproximadamente de 10 minutos e terminaram a vx1 no escuro com bandeira vermelha por motivo dos pilotos não enxergarem mais a pista. A premiação entregue aos pilotos as 19:00 horas em cheques ainda não estavam nem preenchidos.
Nem mesmo no estado do atual presidente eles conseguem fazer uma prova descente ,aliais onde estavam presidente(SENHOR FIRMO) que não apareceu pra prestigiar o evento?
Ha não é motocross
Porque se fose motocross isso não aconteceria

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly