Mundial de Motocross 2012 – 5ª etapa – Brasil

Por Divulgação | Fotos por Luiz Pires | 21 de maio de 2012 - 23:21

A chuva que caiu neste domingo, 20 de maio, no parque de diversões Beto Carrero World, em Penha, Santa Catarina, não foi capaz de estragar os duelos na pista, válidos pela quinta etapa do campeonato Mundial de Motocross MX1 / MX2 2012.

Chuva atrapalhou o evento no Beto Carrero

Chuva atrapalhou o evento no Beto Carrero

Pelo contrário, aos olhares dos mais de 10 mil espectadores que se aglomeraram nas arquibancadas e camarotes, os pilotos superaram limites e obstáculos do traçado. Quem se adaptou rapidamente à lama foram o francês Christophe Pourcel na MX1, e o britânico Tommy Searle na MX2, que conquistaram o Honda GP Brasil de Motocross.

Mesmo com a chuva o público prestigiou o Mundial

Mesmo com a chuva o público prestigiou o Mundial

Entre os brasileiros, Jorge Balbi Júnior na MX1, e Marçal Müller na MX2, foram os principais nomes e finalizaram o somatório das corridas na 19ª e 18ª posição, respectivamente. O campeonato Mundial de Motocross segue para França, em Saint Jean d’Angely, nos dias 2 e 3 de junho.

Categoria MX1

Depois de comandar os treinos, Antonio Cairoli piloto da equipe oficial Red Bull / KTM Factory Racing, não conseguiu desempenhar um bom papel nas corridas. Acostumado a andar na ponta, o italiano foi o oitavo no geral. Mesmo assim, manteve a liderança da categoria, agora com 203 pontos.

Mesmo não vencendo Cairoli continua líder do Mundial MX1

Mesmo não vencendo Cairoli continua líder do Mundial MX1

Primeira bateria
O piloto Christophe Pourcel da equipe Monster Energy / Pro Circuit / Kawasaki, fez o holeshot e disparou na frente. Tranquilo, o francês conquistou a vitória com mais de 1min30s para segundo colocado David Philippaerts da Monster Energy / Yamaha. “Tive problemas durante os treinos de ontem e mudei totalmente minha moto. Não sabia como iria ser hoje. Hoje deu tudo certo e consegui vencer a primeira bateria, mesmo com a pista complicada por causa da chuva”, comenta o campeão da etapa.

Evgeny Bobrishev

Evgeny Bobrishev

Rui Gonçalves da equipe oficial Honda World Motocross, teve bom início de prova e até chegou andar entre os ponteiros. Apesar de alguns erros, o português concluiu em quarto, atrás de Gautier Paulin da Kasawaki Racing Team. Depois de 35 minutos mais duas voltas, o goiano Wellington Garcia fechou em 18º. Balbi foi o 21º.

Jorge Balbi Jr. foi o melhor brasileiro na MX1

Jorge Balbi Jr. foi o melhor brasileiro na MX1

Segunda bateria
Tanel Leok da Rockstar Energy / Suzuki, da Estônia, fez o holeshot, mas perdeu a primeira colocação ainda nas voltas inicias para Christophe Pourcel. Ainda na largada, Cairoli sofreu uma queda e saiu bem atrás. Balbi era o brasileiro com melhor desempenho: 12ª posição.

Christophe Pourcel

Christophe Pourcel

Na sexta volta, Christophe foi ultrapassado por Xavier Boog da Kawasaki Racing Team, que seguia na ponta quando passou a ser pressionado por Clement Desalle da equipe oficial Rockstar Energy / Suzuki. Xavier se defendeu e conquistou a vitória. Desalle foi segundo, seguido por Chirstophe. Balbi foi o melhor piloto nacional ao finalizar em 16º.

Pódio da categoria MX1 no GP Brasil de Motocross

Pódio da categoria MX1 no GP Brasil de Motocross

Resultado da quinta etapa do Mundial de Motocross na categoria MX1
1. Christophe Pourcel (Kawasaki)
2. David Philippaerts (Yamaha)
3. Kevin Strijbos (KTM)
4. Gautier Paulin (Kawasaki)
5. Rui Goncalves (Honda)
6. Xavier Boog (Kawasaki)
7. Clement Desalle (Suzuki)
8. Antonio Cairoli (KTM)
9. Evgeny Bobryshev (Honda)
10. Shaun Simpson (Yamaha)

Classificação da categoria MX1 após cinco etapas
1. Antonio Cairoli – 203 pontos
2. Clement Desalle – 179
3. Christophe Pourcel – 172
4. Gautier Paulin – 170
5. Ken de Dycker – 154
6. David Philippaerts – 142
7. Kevin Strijbos – 139
8. Xavier Boog – 129
9. Rui Goncalves – 110
10. Tanel Leok – 107 pontos

Categoria MX2

Entre todos os pilotos da etapa, Tommy Searle foi o que melhor se adaptou às condições da pista. Com duas boas largadas, o britânico se manteve na ponta em mais de 90% das voltas e conquistou as baterias. “Eu sei que não sou o melhor piloto na lama, mas sabia que precisava fazer boas largadas e ser inteligente. Tentei ao máximo me concentrar para errar o menos possível e fui feliz. Tentei manter minha visão longe da lama e quando minhas luvas encharcaram consegui trocá-las”, destaca Searle.

Mesmo não vencendo Jeffrey Herlings é líder da MX2

Mesmo não vencendo Jeffrey Herlings é líder da MX2

Já o líder da categoria, Jeffrey Herlings, piloto da equipe oficial Red Bull / KTM Factory Racing, da Holanda, teve um fim de semana de altos e baixos. O holandês terminou a primeira bateria apenas na 12º colocação, mas se recuperou na posterior, com um terceiro lugar.

Hector Assunção

Hector Assunção

Primeira bateria
Searle assumiu a liderança ainda na volta inicial e a manteve até a oitava, quando parou no pit lane para trocar de luvas. Christophe Charlier até assumiu o posto, mas durou apenas uma volta. Searle voltou com gás total e recuperou a posição. Charlier foi segundo, seguido de Jeremy van Horebeek da Red Bull / KTM Factory Racing, e Max Anstie da Honda / Gariboldi.

Largada da categoria MX2 no Beto Carrero

Largada da categoria MX2 no Beto Carrero

Na 15ª posição, Hector Assunção era o principal brasileiro quando abandonou a prova na quarta volta. Foi então que apareceu a figura de Marçal Müller, que segurou bravamente a 16ª colocação.

Marçal Müller foi o melhor brasileiro na categoria MX2

Marçal Müller foi o melhor brasileiro na categoria MX2

Segunda bateria
Jose Butron roubou a cena foi ao andar entre os ponteiros. O britânico Searle venceu a bateria. Butron foi segundo e pela primeira vez subiu ao pódio da competição ao terminar em terceiro o somatório. Dos brasileiros, apenas Endrews Armstrong e Marçal Müller largaram. Ao final fecharam em 19º e 20º, respectivamente.

Thales Vilardi

Thales Vilardi

Jeremy van Horebeek

Jeremy van Horebeek

Tommy Searle comemora sua vitória no GP Brasil MX2

Tommy Searle comemora sua vitória no GP Brasil MX2

Resultado da quinta etapa do Mundial de Motocross na categoria MX2
1. Tommy Searle (Kawasaki)
2. Christophe Charlier (Yamaha)
3. Jose Butron (KTM)
4. Jeremy van Horebeek (KTM)
5. Joel Roelants (Kawasaki)
6. Max Anstie (Honda)
7. Jeffrey Herlings (KTM)
8. Jake Nicholls (KTM)
9. Alessandro Lupino (Husqvarna)
10. Harri Kullas (Suzuki)

Classificação da categoria MX2 após cinco etapas
1. Jeffrey Herlings – 223 pontos
2. Tommy Searle – 203
3. Jeremy van Horebeek – 189
4. Joel Roelants – 152
5. Max Anstie – 137
6. Jordi Tixier – 128
7. Jake Nicholls – 120
8. Dylan Ferrandis – 107
9. Alessandro Lupino – 103
10. Harri Kullas – 99 pontos

Compartilhe este conteúdo

Comentários

carlos e. duda giovanucci disse:

ainda bem que não fui na corrida.. corrida ruim de se ver…

infelismente a chuva atrapalhou… e se não mudar a data todo ano será assim…

VOLNEY disse:

Apesar da chuva forte, que no fim castigou a pista, o ruim é ver que os brasileiros de modo geral; seja por equipamentos ou deficiência literalmente alguns “amarelaram” chegando ao ponto de não disputarem a 2ª bateria. de 2011 pra cá com as seguidas lesões o nosso maior representante (Jorge balbi Jr) ja não consegue mais chegar perto dos “gringos”,e ainda sim é que teve melhor desempenho. Sempre bato na seguinte tecla; somente com intercâmbio de nossos pilotos indo disputar algumas etapas em campeonatos na europa e USA e de vez por toda nossas pistas serem construídas e tratadas como são as do mundial, só assim em médio prazo teremos pilotos competitivos e assim obtendo bons resultados p/ nosso motocross nacional!!!

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly