Grande público no Gaúcho de MX em Passo Fundo

Por Sílvio Bilhar | Fotos por Bolívar Trindade | 06 de agosto de 2012 - 23:44

Depois de vários anos Passo Fundo recebeu uma etapa do campeonato Gaúcho de Motocross. O último evento foi na pista do Clube Industrial. Neste final de semana, 4 e 5 de agosto, voltou a receber o evento. O Gaúcho de Motocross levou mais de 5 mil pessoas durante o final de semana à quinta etapa na pista do Ginásio Teixeirinha.

Afinal de contas o povo estava faminto em assistir as disputas do esporte. Na arquibancada, alguns personagens que participaram da prova no Clube Industrial, nomes como Leonardo dos Santos, ex-piloto e Maycon Rotta, hoje instrutor de Motocross.

Depois do azar em Santa Maria, Pablo venceu em Passo Fundo
A 1ª categoria a entrar na pista foi a Estreantes Importada. Vinícius Oliveira fez o holeshot e finalizou em 1º a volta inicial. Pablo Reginato, Cássío Rossi, Maiara Basso e Leandro Schwindt formavam o 1º pelotão. Logo na 2ª volta, na pressão Pablo assume a liderança da prova com o erro de Vinícius. Mais tarde Maiara ultrapassa Cásssio e tira a diferença do líder. As voltas finais foram de tirar o fôlego com Maiara colando no líder que segurou a vitória em Passo Fundo. Pablo Confirma a vitória após o azar da 4ª etapa, Maiara chegou em 2º seguida de Cássio, Bruno da Luz que largou nas últimas posições e buscou recuperação e Vinícius que errou quando era líder e ainda subiu no pódio.

Pablo Reginatto

Pablo Reginatto

Vitória Castelhana na MX3
O uruguaio Pablo Florin largou na frente na MX3 com Rafael da Cruz em 2º, Gustavo Visoto em 3º e Fabiano Ribeiro na 4ª posição seguido de Rodolfo Correa fechando o 1º pelotão. Uma corrida com muitas alternativas e mudanças de posições nas primeiras colocações nas voltas iniciais. Rafael perde terreno e cai na tabela, indo para 17º lugar. Enquanto isso entre 2º e 5º lugares apareceram Fabiano, Visoto, Maiara Basso. Fabiano e Visoto chegaram a ocupar o 2º lugar, mas na reta final, Éder Antoniazzi em prova de recuperação chegou em 2º, Visoto ficou em 3º com Maiara Basso em 4º e Carlos Ketermann ocupando o pódio em 5º, ele que saiu do 8º lugar na volta inicial.

Pablo Florin

Pablo Florin

Intermediária MX2 teve vitória do Nanico
O piloto de Santa Rosa Gustavo Roratto, o Nanico, largou na frente na categoria Intermediária MX2, com Vanderlei da Silva e Jonatas Migliorini em seguida. Com 5 minutos de prova, Vanderlei erra e perde posições, com isso Marcelo Galiotto que já ultrapassara Jônatas assume a vice-liderança. Mais atrás, João Viecelli e Ânderson Alberton encostavam no pelotão da frente. Alberton, andando muito chega ao 2º lugar a 4 voltas na quadriculada  após grande duelo com Galiotto, mas não tem tempo para mais nada Gustavo passa em 1º, Alberton, Galiotto, Jonatas e João Viecelli completam o pódio.

Gustavo Roratto

Gustavo Roratto

A piazada deu um show
Com tocada de gente grande, os meninos da 50cc, a cada volta levantavam a galera das arquibancadas para seções de aplausos. Com tocadas agressivas, ultrapassagens arrojadas, Garmichel Giehl venceu a 50cc classe A, superando Santiago Leiria, Kauê Benatto, Roberty Godinho e Bruno da Cruz, de 2º ao 5º consecutivamente.

Garmichel Giehl

Garmichel Giehl

Na classe B, Gabriel Andrigo e Pedro Chagas Moraes travam por muitas voltas um grande duelo. Gabriel cai no fundo da pista e Pedro assume a ponta par abrir vantagem e vencer a etapa. Gabriel foi 2º seguido de Arthur Oliveira e Pablo dos Santos.

Pedro Chagas Moraes

Pedro Chagas Moraes

Piloto da casa venceu a Intermediária MX1
O piloto de Passo Fundo, Luis Henrique Zottis, O Hique largou na ponta na categoria seguido de Alex Cavalga. Mais atrás Gustavo Visoto, Rodrigo Galiotto e Marco Müller travavam um duelo pelo 3º lugar. Galiotto leva a melhor, e logo em seguida assume a vice-liderança com Cavalga em 3º. Faltando 4 voltas para o fim, Galiotto pressiona Hique mas cai ao bater na roda traseira do líder, indo para o 7º lugar. Hique vence de ponta a ponta seguido de Cavalga, Visoto, Fábio Imperatori que fez prova de recuperação e Marco Müller completando o pódio.

Luiz Henrique Zottis

Luiz Henrique Zottis

Na MX2 Marçal perdeu os 100%
Até a 5ª etapa, Marçal Müller havia vencido todas as provas e liderava com folga. Mas largou em 5º na etapa, atrás do líder Mateus ”Tatu” Basso, Gustavo Roratto, Leonardo Lizott, e Anderson Alberton. Por cinco voltas Roratto e Tatu ditavam o ritmo da prova em grande duelo. Foi quando Roratto colocou mais pressão e na 1ª oportunidade fez a ultrapassagem. Quatro voltas mais tarde, já em 2º lugar, Lizott que também estudava a pilotagem do adversário, chegou para assumir a liderança. Posição que levou até o fim. Roratto se manteve em 2º seguido de Marçal, Tatu e Lucas Basso.

Leonardo Lizott

Leonardo Lizott

Felipe manteve a liderança na 65
Largando em 2º lugar, Felipe Chagas Moraes assume a liderança logo na 2ª volta após ultrapassar o ponteiro Joaquim Ferreira. Felipe Migliorini que fazia boa corrida quebra e abandona para seu próprio desespero. Com isso, Bernardo dos Santos chega em 2º, pois Joaquim não resiste o ritmo forte da prova indo para a 6ª posição. Pedro Chagas Moraes chegou em 3º com Felippe Menuzzi em 4º e Vitor Gonçalves em 5º.

Felipe Chagas

Felipe Chagas

Dia dos Henriques da casa. Hique Araújo venceu a 85
Depois de ter largado em 2º lugar atrás do líder do campeonato Gabriel Della Flora, Henrique Araújo foi bem arrojado ao ultrapassar Gabriel na parte baixa da pista. Os duelos não se encerravam por ai, pois Gabriel pressionou por várias voltas e foi pressionado por Nícolas de Oliveira, também ultrapassou Gabriel duas voltas mais tarde. É força da 150cc contra a 105cc de Gabriel. Os momentos finais foram de tirar o fôlego com os três pilotos andando no mesmo ritmo e a chegada com vitória de Henrique foi no detalhe, seguido de Oliveira, Gabriel, Leonardo Limberger, o Poti  e Wagner Carvalho, os cinco a subirem no pódio.

Henrique Araújo

Henrique Araújo

Segunda vitória seguida de Milão na MX4
Estudando durante toda a prova, Marco Müller, o Milão assume a liderança ao ultrapassar Carlos Ketermann, o Nazysta, faltando duas voltas para a final. Sem reação, Ketermann chega em 2º seguido de Guilherme Benatto, o Mémi, Zeus Glanert e Fabiano Kubaski que largou em último e fez prova de recuperação.

Marco Müller

Marco Müller

Chico Loco venceu a 230
Mesmo com toda pressão de Gedielson Sá, Vanderlei da Silva, o Chico Loco vence a etapa da 230cc de ponta a ponta. Os dois abriram grande vantagem na pista dos demais competidores num pega que durou toda a bateria. Mas sem errar dessa vez foi a vez de Chico Loco levantar o troféu maior. Outro duelo interessante foi pela 3ª colocação, mas ai com a ultrapassagem no meio da prova de José Luis Brusco, o Mimi, que retornou ao campeonato, sobre Leandro Folé. Completando o pódio, veio Elvis Penz, Maurício Maritan, Guilherme Zottis e Cassiano Chaves, ambos de Passo Fundo abandonaram a prova até a 6ª volta com problemas na moto.

Vanderlei da Silva

Vanderlei da Silva

Feminina com vitórias de Maiara e Marina
A prova foi a única da tarde a ter bandeira vermelha. Com o tempo regulamentar esgotado, a prova foi interrompida quando Maira Basso vencia a etapa de ponta a ponta seguida de Janaina Todeschini, Caroline Zatt e Mayrêe Ribeiro, A Gauchinha pela classe A. Já na classe B, Marina Becker venceu com Nathalia da Silva em 2º, seguida de Bruna de Freitas e Mariana Daltoé.

Maiara Basso

Maiara Basso

Marina Becker

Marina Becker

Duda voltou às pistas e venceu a MXPró
Disputada em duas baterias, a MXpró teve na 1ª bateria um duelo interminável entre Douglas Parise, o Duda e Leonardo Sebben que trocaram de posição durante a corrida com alternância na liderança. Ao final da corrida, cansado Sebben ainda perdeu a 2ª posição para Marcos Cordeiro, que não fez boa largada. Sebben perdeu muito e acabou em 6º na bateria. Na 2ª prova da tarde, Duda largou na ponta com Sebben em 2º, Matheus Basso em 3º, Marcos Cordeiro, Lucas Basso e Rodrigo Galiotto completando o 1º pelotão.

Douglas Parise

Douglas Parise

A história entre Duda e Sebben se repete com trocas de posição durante a corrida. Mas nessa bateria, Leonardo Sebben se manteve na 2ª colocação seguido de Marcos Cordeiro, Lucas Basso e Mateus Basso. Na soma das duas provas, melhor para Duda que somou mais 50 pontos na etapa, em 1º seguido de Marcos Cordeiro, Leonardo Sebben, Lucas Basso e Mateus Basso os cinco primeiros.

Leonardo Sebben

Leonardo Sebben

Promoção : Associação Passofundense de Motociclismo – APM

Supervisão : Federação Gaúcha de Motociclismo – FGM

Apoio : Prefeitura de Passo Fundo

O campeonato Gaúcho de Motocross 2012 tem o patrocínio máster da Rinaldi pneus, Total Distribuidora Moto Peças Ltda., IMS e Mobil, co-patrocínio da Belparts e SobreRodas e apoio da  Mecânica Zapanetti, M3Parts/Revenda Kawasaki, Farover, Vitrine da Moto, Octano Graphics, Kimoto, SSul e Artemoto.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Bolivar disse:

Alexandre, os seus comentários sobre categoria nacional são petinentes, mas acho que o lugar não seja o campeonato estadual, mas como você mesmo falou os regionais, ou os campeonatos amadores, hoje temos campeonatos amadores com 23 categorias onde quase a metade são de motos nacionais, com inscrições muito baratas.

Alexandre Karsburg disse:

Twitter: Karsburg
Bom, dei a minha contribuição ao motocross na década de 90 do século passado. Desde então tenho me mantido afastado desse esporte, mas sem deixar de ter paixão por ele. Parabéns a quem organiza as provas, pois isto é muito complicado nos dias de hoje. As minhas críticas são construtivas, mas são unicamente ideias que podem ou não serem adotados pelos dirigentes. Insisto que o motocross está elitizado, e uma alternativa para atrair mais pilotos é incentivar a categoria nacional, pelo menos nos campeonatos regionais. As motos são mais baratas (bem mais baratas) que as importadas, e sugiro que a FGM baixe o preço da filiação aos pilotos que andem de moto nacional, além de também baixar os preços das inscrições.
É isso aí, Bolívar e Alberto. Só conseguiremos melhorar ouvindo as críticas dos outros. Abraço para todos.

Bolivar disse:

Alberto, me desculpe não conhecer os teu histórico no esporte, acho que não nos conhecemos, como todos sabem sou novo no meio… mas nem por isso deixo de dar os meu pitacos. A diferença entre eu e você é de que eu faço isso com quem pode resolver e não em público. Em público eu procuro mostrar o que o esporte tem de bom e não fico destacando “picuinhas”.

Falando em mostrar o que o motocross tem de bom, faço isso atraves das fotos, sou um prestador de serviço, não faço parte da federação, e desta forma nada melhor do que ser remunerado, certo? ou você vai me dizer que trabalha de graça?

Como disse antes não sei se nos conhecermos, se quizer conversar pessoalmente me procure nas provas para batermos um papo amigável, todo mundo me conhece e sou eu mesmo escrevendo aqui, não uso nomes falsos porque assumo o que digo.

Alberto Fernandes disse:

Olha Bolivar,,,,, ja ajudei mais o MX do que vc possa imaginar,,, ao contrario de vc que usa o MX como forma de Faturar,,,,, tenho sim grande idéias e poderia ajudar muito mais,,, só que para isso não vou criar uma Moto Clube Fantasma, como muitos que existem por ai hoje,,, para pode ter direito a voto em eleições,,,, quer uma grande Idéia para melhorar o MX???? façam como é feito em eleições para presidentes, governadores, prefeitos e vereadores… onde o povo vota…. liberem o voto para os pilotos filiados que são estes os verdadeiros palhaços do circo…. deixem os pilotos filiados votarem e escolherem quem são as pessoas que irão comandar o esporte,,,,,,,,,, ja pensou se nas eleições para presidente do Brasil, somente os Governadores e os Prefeitos votassem??? como seria???? te digo … seria exatamente como é hoje as federações estaduais..CBM..um jogo de conchavos e troca de favores, para conseguir votos, assim elas são: desacreditadas,, e sem respaldo pela grande parte de Pilotos,,etc… Outra coisa…. temos que criticar sim,,,, senão não ha mudanças,,,,,pessoas e orgãos competentes não precisam de elogios,,, é simplesmente o dever!

Bolivar disse:

O Motocross vai melhorar o dia que vocês que tanto criticam estiverem do lado de quem faz o motocross ajudando a organizar e dar resultados, vocês tem grandes idéias, coloquem elas em prática. Ajudem a organizar os eventos e proporcionem todo resultado que vocês reclamam…

Só vejo o nome de vocês dois quando existe uma crítica, nunca vi um elogio ou comentátio realmente construtivo.

Alexandre Karsburg disse:

Twitter: Karsburg
Grande comentário, Alberto. Vc está com toda a razão. A imprensa que dá cobertura aos eventos adultera as informações para passar a impressão que tudo está perfeito: grande público e ótimo número de pilotos. Tudo lorota, enganação para patrocinadores verem. O motocross brasileiro está estagnado, com poucos pilotos por causa dos altos custos. Quem pode manter uma estrutura mínima para fazer motocross nos dias de hoje? Só quem tem muito dinheiro. Acredito que a federação gaúcha deveria incentivar a categoria nacional, pois dali surgiriam novos talentos. Baixar o preço das inscrições, dar premiação melhor e diminuir o número de categorias para que mais pilotos possam largar na categoria Pró.

ALÔ PRESIDENTE DA FGM e ORGANIZADORES, VCS JÁ FORAM PILOTOS E SABEM DAS DIFICULDADES, PORTANTO, PAREM DE PENSAR SOMENTE EM QUEM TEM GRANA E PROCUREM ATRAIR PARA AS CORRIDAS OUTROS ATLETAS.

Alberto Fernandes disse:

” Grande publico “,,,,,, para com isso pra uma cidade de 200 mil habitantes,,, tirando o pessoal envolvido na etapa,, não tinha 2 mil pessoas,,,,, vcs da imprensa deveriam ser mais coerentes nas informações,,, e mostrar a realidade que esta virando este esporte tão amando por nós,,, acho que não é atravéz de mentirar desse tipo que iremos alavancar o tão sonhado motocross de 1º mundo, e fazer com que ele volte como era no passado,,,,, extranho até pra mim dizer isso “como era no passado”,, pois no passado o motocross era bem pior em termos de premiação, estrutura, motos, equipamentos e até em pilotos, pois hoje no Brasil temos muitos pilotos do Brasil e de fora do Brasil de alto nivel…… mas a realidade pura é que olhamos e lamentamos de ver por ex. a categoria Pró do Gaucho, ao qual falam que é a categoria mais importante,,largar com apenas,, miseras,,, 7 motos na 2º bateria,,,, algo esta errado..muito errado,,,

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly