Marçal Müller fala da experiência no MX das Nações

Por Divulgação | Fotos por Divulgação | 03 de outubro de 2012 - 20:11

O piloto gaúcho Marçal Müller integrou o time brasileiro no Motocross das Nações 2012, que aconteceu no último final de semana, dias 29 e 30 de setembro em Lommel, na Bélgica. Após seu retorno ele contou os detalhes dessa grande experiência. Confira:

” Olá pessoal ! Voltei da Bélgica na segunda-feira, muito feliz com a experiência, porém com bastante dor nas costas por conta do tombo que levei durante a repescagem, e pelo próprio estilo de prova que exige muito. Claro que fiquei triste com a não classificação do Brasil para a final, mas estou muito feliz com minhas metas pessoais, pois passei por cima de muitas adaptações e dificuldades. Eu nunca tinha andado de Yamaha 450F e a Yamaha Brasil e o Grupo Geração me deram uma moto para que eu pudesse treinar uma semana antes da viagem. Agradeço a eles por isso.

Em nossas pistas daqui do sul do Brasil me adaptei muito rápido a moto e logo me senti à vontade. Gostei bastante da moto. Já na Bélgica, na quinta-feira, 27 de setembro, da corrida, fomos em uma pista próxima fazer nosso primeiro e único treino antes da corrida. Já entrei na pista animado, pois havia muitas motos e muitos pilotos rápidos. Foi então que veio o primeiro choque, pois a pista era completamente cheia de buracos grandes e úmidos. Era numa mata fechada, e eu nunca tinha visto nada igual. Você não encosta no banco nem um segundo, não conseguia dar 5 voltas rápidas na pista e já não aguentava a dor nas costas. Achei que a pista de Lommel ia ser igual, para pior, então me assustei um pouco, mas continuamos a treinar até o fim do dia mesmo com a presença da chuva aumentando ainda mais a dificuldade.

No sábado, 29 de setembro, minha meta era fazer minha parte e chegar entre os 19 primeiros colocados. No treino livre me adaptei logo à pista, já que os buracos não estavam formados completamente, mas na metade do treino veio uma chuva forte obrigando quase todos pilotos a pararem no pit, pois a pista ficou muito lisa, mesmo sendo areia. Fui para a minha largada que era a última do dia sabendo que a classificação era muito difícil. Decidi que ia fazer o meu melhor do início ao fim que algum resultado significativo viria. A pista de Lommel muda traçados e buracos a toda volta, então do meu treino de manhã até minha corrida de tarde teve duas baterias. A pista era completamente outra, mas fiz uma boa largada, estava entre os 15, trocando posições com vários pilotos de fábrica, eu estava sorrindo debaixo do capacete, não estava acreditando que podia estar dividindo curvas com aqueles pilotos de oficias, andei acima de meu limite, cometi alguns erros e decidi baixar um pouco o ritmo e me concentrar para não cair. Fui para a 22ª colocação e voltei a aumentar o ritmo fazendo ultrapassagens volta a volta até o final, conseguindo uma ótima 17ª colocação e superando minha meta. Fiquei muito feliz com esse resultado.

Marco 'Milão' e Marçal 'Massa' Müller na Bélgica

Marco ‘Milão’ e Marçal ‘Massa’ Müller na Bélgica

Somando os três resultados ficamos na 27ª colocação no sábado, e sabíamos que na Qualify B era muito difícil conseguir a vitória, pois enfrentaríamos equipes tradicionais e fortes como Nova Zelandia, Espanha, entre outros… Fomos os 3 para a Qualify B, fui o 7º a escolher o gate, consegui um bom lugar para largar, mas quando larguei, um piloto do lado pulou uma roda na frente e logo me fechou assim não consegui sair tão bem quanto gostaria. Fui para o tudo ou nada, e em duas voltas já estava em 12º lugar, virando no mesmo tempo dos 10 primeiros, na 4ª volta fui surpreendido e a corrida acabou para mim, em uma curva de velocidade a roda dianteira enterrou e capotei para a frente, com a moto batendo nas minhas costas, quebrando até meu capacete, sai de baixo da moto tonto, e até me levantar já estava quase em último. Tive que parar no pit para tirar uma peça do capacete que ficou presa no meu pescoço. depois da queda fiquei completamente sem freio dianteiro pois estourou o reparo;  daí em diante já sabia que não ia conseguir um bom resultado,mas, mesmo com dores nas costas não ia ac eitar ir até Lommel e desistir no pit, então voltei para a pista na última colocação.Sem poder contar com o freio dianteir as coisas ficaram ainda mais difíceis, sofri mais dois tombos, mas fui recuperando e cheguei na 27ª colocação.

Gostaria de agradecer, em primeiro lugar, ao Manuel Carlos ‘Cacau’ Hermanoe ao Cesar Araújo por terem me dado essa oportunidade incrível de correr o Nações.  Foi uma experiência única para a minha carreira, aprendi muito lá, como estávamos conversando, o que se aprende em meio ano aqui a gente aprendeu em uma semana lá. Parabéns a vocês que não deixaram o Brasil de fora do MXoN 2012, e que conseguiram fazer em 3 semanas o que os outros não conseguiram fazer em 3 meses. E ainda mais, colocaram nós pilotos, numa estrutura excelente !

Queria agradecer também a todos que torceram por mim, a todos que durante esse tempo mandaram mensagens de força, muuuito obrigado mesmo, pois podem ter certeza que cada uma fez muita diferença !! Grande abraço a todos !!!”

Marçal 'Massa' Müller

Marçal ‘Massa’ Müller

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly