Entrevista com o piloto Chad Reed

Por Renato Dalzochio Jr. | Foto por Divulgação | 24 de janeiro de 2013 - 13:27

Chad Reed voltou às pistas em 2013 após um longo período se recuperando de múltiplas lesões. Após vencer as três  últimas etapas do Campeonato Australiano de Supercross, o proprietário da equipe Two Two Motorsports não teve a estreia que gostaria no AMA Supercross, mas voltou a subir no pódio no último sábado, durante a terceira etapa em Anaheim2.

Nestas três primeiras etapas o piloto de 30 anos de idade têm usado a consistência para se manter na briga pelo título, estando sete pontos atrás do líder Davi Millsaps. Focado na conquista do tricampeonato, o veterano, que está disputando sua décima primeira temporada no AMA Supercross, tem se esforçado para progredir o mais rápido possível, especialmente no desenvolvimento da nova suspensão de sua CRF 450R, a Showa modelo SFF.

Reed concedeu entrevista onde falou sobre a conquista do pódio em Anaheim2, a viagem de volta para a Austrália no final do ano passado e o programa de treinamento que desenvolveu durante o seu regresso as competições.

Pergunta – Sempre que pedimos uma entrevista, você está vindo de um bom desempenho. Parabéns, esperamos que isso seja um bom sinal para as próximas corridas.

Reed – Sim, acho que sim. Obviamente estamos lutando contra as dificuldades nestas primeiras corridas. Lutamos durante toda a temporada contra os mesmos problemas que enfrentamos nas duas primeiras corridas, por isso é meio frustrante, mas acho que na maior parte do tempo demos um passo na direção certa. Você sabe, fiquei um longo tempo afastado, portanto precisamos recomeçar do zero e o próximo passo é tentar obter algumas vitórias.

Pergunta – Assisti as duas primeiras corridas ao vivo na Austrália, e hoje em Anaheim você parecia mais agressivo, um pouco mais confortável, a moto parece ter trabalhado mais por você neste fim de semana. Você compartilha da mesma opinião ?

Reed – Acho que eu e a moto estamos começando a nos unir. Não há muito o que fazer em uma moto de corrida, então você sabe, preciso fazer a minha parte também. Fizemos pequenas alterações, ajustamos algo aqui e ali e acho que hoje aparecemos com uma boa moto. Mudamos pequenas coisas, mas não mexemos nas peças mais complexas. As duas primeiras corridas foram frustrantes, mas hoje foi um pouco melhor. Agora estou animado, vamos fazer pequenos ajustes na configuração da moto para que eu possa tentar ser um pouco melhor e mais forte em Oakland no próximo sábado.

Pergunta – Você voltou para a Austrália durante a pré-temporada, deu um grande impulso ao nosso campeonato nacional de Supercross, mas olhando para trás agora, você acha que estas três corridas foram um benefício ou um prejuízo? Por um lado você voltou a competir após um longo período, mas por outro, não foi capaz de testar sua moto, como faz nos Estados Unidos…

Reed – Foi um pouco de ambos. Muitos dos problemas que estávamos tendo foi porque não pude levar as peças da minha moto dos EUA para a Austrália. Corri o Monster Energy Cup, mas depois não pude levar as peças e ferramentas da moto para o campeonato australiano. Foi legal disputar três etapas, por isso posso dizer que o único inconveniente que tive foi basicamente andar com a moto que eu tinha lá. Venci as três últimas corridas, porém, sem querer ser desrespeitoso com os nossos pilotos, mas na pista não tinha caras com a velocidade de Villopoto, Stewart e Canard. Então fui capaz de vencer com certa tranquilidade. Mas do ponto de vista da confiança acho que foi incrível.

Em Phillip Island não ganhei facilmente, o Jay Marmont deu trabalho o tempo todo. A corrida seguinte em Toowoomba foi com chuva e na lama, então fica difícil analisar. Á última em Newcastle corri em casa e a pista era mais no estilo AMA Supercross. Uma semana antes fizemos alguns ajustes na moto, que ajudaram um pouco, por isso cheguei mais forte e minha vantagem sobre Marmont e Daniel McCoy na bandeira quadriculada foi um pouco maior. Eu nunca lamento nada, então acho que minha experiência lá foi positiva, o único fato negativo foi que não pude levar a suspensão que uso nos EUA, para testar e aprender nas condições de corrida que eu gosto.

Chad Reed 2013 back jump

Chad ‘CR22’ Reed

Pergunta – Você definitivamente ajudou o esporte na Austrália, o qual é muito grato por isso. A consistência para ser vital no campeonato deste ano e até agora você obteve dois quarto lugares e um terceiro e está no páreo da disputa pelo título. Para alguém como você, que está na décima primeira temporada e possui experiência, a confiança ainda desempenha um papel fundamental no seu progresso ?

Reed – A confiança é o nome do jogo em qualquer coisa que eu acredito. Se você é confiante em si mesmo e está feliz, as coisas boas acontecem. Sou bastante confiante e é só uma questão de você encontrar aquela sensação que precisa para atingir o seu nível extremo. Acho que neste fim de semana dei um grande passo na direção certa e sinto que só vai melhorar daqui pra frente. Foi bom finalizar na quarta posição em dois finais de semana onde eu e um monte de gente cometeu uma grande quantidade de erros. Preciso ser consistente, mas também preciso vencer corridas (risos).

Pergunta – Você está na frente do Villopoto na classificação, mas a diferença é pequena, portanto é necessário tirar proveito disso e vencer algumas corridas. E você sabe que ele não vai mais ficar lento daqui pra frente. Como você viu neste fim de semana, ele está cada vez mais rápido e confortável…

Reed – Eu quero atingir o nível dele e vencer, como fiz no ano passado, que foi divertido. Em San Diego finalizei em segundo, ultrapassei Villopoto na última volta e levei o troco logo em seguida, mas foi muito divertido porque apertei o ritmo e pressionei o atual campeão. Na semana seguinte em Dallas eu estava outra vez apertando o ritmo sobre ele, e em alguns trechos da pista senti que estava levando alguma vantagem. Infelizmente sofri aquele acidente e me machuquei, então quero desafiar novamente o atual campeão e me divertir um pouco.

Pergunta – Ok Chad, obrigado e parabéns pelo trabalho. Desde que você lançou a equipe Two Two Motorsports em 2011, vimos o time progredir de forma impressionante a cada ano. É algo que deve deixar a si mesmo orgulhoso, além de deixar Ellie e as crianças com orgulho também. Mantenha o bom trabalho.

Reed – Obrigado, nós temos uma equipe de estrelas, um monte de patrocinadores exclusivos a bordo e acho que temos uma boa base. Você sabe, eu estou ficando mais velho e quero um novo piloto para vir aqui e tomar o meu lugar, então provavelmente eu ainda tenho pela frente um ano, metade de um ano, ou dois anos. Vamos ver, quem sabe. Eu quero ganhar este título. Vou trabalhar pra caramba, tentar ganhar algumas corridas e ser campeão. Esforço e dedicação não vão faltar, isso posso prometer.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly