Eu sou a favor e eu sou contra !!!

Por Jorge Soares | 31 de janeiro de 2013 - 15:19

Nas últimas semanas foi publicada aqui no Mundocross uma Enquete que perguntava a opinião dos leitores sobre a participação dos pilotos estrangeiros no campeonato Brasileiro de Motocross, e a repercussão fez com que esta coluna viesse a ser escrita, pois as opiniões aqui na seção de comentários do site, e no Facebook, fizeram com que o resultado da Enquete fosse tema de opiniões diversas.

Eu sou a favor e eu sou contra !!!

Eu sou a favor, assim como 90% dos leitores (332 votos) que votaram serem simpatizantes a vinda dos pilotos estrangeiros para disputarem o campeonato Brasileiro de Motocross, pois esta ação se torna um intercâmbio, onde os pilotos do Brasil com certeza tem muito a aprender em relação a técnica e preparação física dos gringos. E isto é visivelmente positivo, pois basta ver o legado que Rodney Smith, Kenny Keylon, Jordi Elias e Danny Storbeck, por exemplo, deixaram quando passaram por aqui nos anos 80, alavancando nomes como os de Jorge Negretti, Eduardo Saçaki, Rogério Nogueira, Ronaldo Torman e Nuno Narezzi, por exemplo.

Mas sou contra a relação de um por um para que os estrangeiros possam competir no campeonato Brasileiro de Motocross. Ou seja, para cada piloto estrangeiro, atualmente a equipe tem que ter um piloto brasileiro nas mesmas condições de competição. Tempos atrás o regulamento do campeonato Brasileiro de Motocross rezava que para cada piloto estrangeiro, a equipe teria que ter três pilotos brasileiros nas mesmas condições. O que também de certo modo estava um pouco exagerado. O ideal é o regulamento ser alterado para dois pilotos brasileiros para cada um estrangeiro, fazendo com isto um meio termo.

E eu sou a favor porque com a participação dos pilotos estrangeiros, o nível da competição e da plasticidade do espetáculo se eleva, e com isto o público sai ganhando, e muito, pois a emoção fica mais latente. Também sou a favor porque os estrangeiros normalmente trazem a cultura do nível de organização dos campeonatos de primeiro mundo, que pode, e deve, ser usado em prol da evolução das competições de Motocross praticadas em nosso país.

Só que sou contra quando o conhecimento técnico destes pilotos estrangeiros não são usados para a melhoria das condições da pratica do Motocross aqui no Brasil. Como por exemplo, a construção das pistas !! Porque até hoje as pistas aqui no Brasil parecem serem feitas a base da enchada, enquanto que no AMA Motocross e Mundial de Motocross as pistas tem um visual cenográfico e os obstáculos feitos de modo que os pilotos possam encaixar os saltos correndo o menor risco possível !! Porque ??

Sou a favor porque as equipes normalmente se puxam para dar uma boa condição de competitividade aos pilotos estrangeiros, e com isto na teoria os pilotos brasileiro acabem sendo beneficiados com as mesmas condições, e isto acontecendo, ajuda os pilotos daqui terem uma evolução mais rápida. O resultado efetivo disto é poderem se aproximar dos tempos de volta dos pilotos quando da realização das etapas do Mundial de Motocross e do Motocross das Nações.

Agora, sou contra se os pilotos estrangeiros tenham uma condição de competição superior aos de seus companheiros de equipe, seja na questão de equipamentos, logística ou financeira. O Motocross de uma vez por todas tem que ser visto como um esporte profissional, e isto tem que ter o apoio e a dedicação incondicional da Confederação, das Federações, das fábricas de motos, de peças, de equipamentos, dos organizadores de eventos e do governo, que assim como apoia outras modalidades esportivas a motor, tem que incentivar também o Motocross.

O Motocross evoluiu muito se compararmos em relação aos anos 80, como por exemplo quando poucos pilotos tinham caminhões e iam para as corridas de carro com carretas, ou alguns de camionetes. E também em relação as motos, quando os novos modelos demoravam um tempo para chegar aqui, enquanto que hoje, se pode ter uma moto quase ao mesmo tempo de quando ela é lançada nos países de primeiro mundo. E em relação aos equipamentos de segurança !! Hoje existem no Brasil diversas marcas e modelos. Algo que nos anos 80 era um sonho de consumo !!

Bom, escrevi alguns pontos em que sou a favor, e outros pontos que sou contra em relação ao que está acontecendo com a vinda dos pilotos estrangeiros para o Brasil, e a intenção aqui é a reflexão, pois porque o AMA Motocross pode ter etapas com pistas espetaculares, excelentes públicos, visuais de propaganda que destacam de verdade os patrocinadores e a transmissão na TV, enquanto que aqui no Brasil isto raramente acontece !!! Está mais do que na hora de termos a absoluta maioria de fatos a favor, do que contra no Motocross brasileiro !!

LogoMundocross

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly