Mundial de Motocross 2013 – 8ª etapa – França

Por Mariah Morgado | Fotos por Divulgação | 09 de junho de 2013 - 21:28

Depois de seu acidente ontem na corrida classificatória, o campeão Mundial de Motocross na categoria MX2, se esforçou para vencer o Grand Prix da França. Herlings não parecia o dominante de sempre enquanto ele batalhava para vencer as duas baterias e o GP. O jovem francês, Dylan Ferrandis foi o segundo colocado no overall e o terceiro foi Christophe Charlier.

Já na categoria MX1 foi o herói italiano, Antonio Cairoli, que marcou o 2º e 1º lugares, faturando outra vitória de GP, e aumentou sua liderança da pontuação do campeonato. Clement Desalle foi o segundo colocado e Gautier Paulin foi o terceiro. Confira como foi a oitava etapa do campeonato Mundial de Motocross MX1 / MX2 2013, disputada neste domingo, 9 de junho, em Ernée, na França.

Primeira bateria da categoria MX2

Diante a uma enorme multidão e sob céu nublado e com ameaças de pancadas de chuva, a primeira bateria do dia, liderada por Dean Ferris na primeira volta, foi interrompida quando a bandeira vermelha foi levantada porque muitos pilotos ficaram presos no gate.

1306091740MX2start_MXGP_8_F_2013

Depois de uma curta espera, a bateria da MX2 começou novamente e dessa vez foi Jeffrey Herlings que liderou, depois de ficar com a 27ª escolha do gate. Butrón era o segundo, seguido por Ferrandis. Elliot Banks Browne caiu na largada.

Ferrandis ultrapassou Butrón, seguido por Coldenhoff, Nicholls, Tixier, Ferris e Pocock. Coldenhoff estava pressionando Butrón enquanto o piloto espanhol lutava um pouco.

Coldenhoff o ultrapassou e também Nicholls. Tixier e Ferris também começaram a se aproximar do espanhol e Herlings começava a ser pressionado por Ferrandis, o holandês obviamente estava sentindo os efeitos de seu acidente de ontem.

Abrir terreno parecia difícil, pois o circuito parece rápido, então muitos pilotos estavam com a mesma velocidade. Ferris estava se esforçando para chegar perto de Tixier e atrás do australiano outro piloto da Monster Energy Yamaha, Pocock, estava tentando acompanhar os pilotos da frente.

O público francês estava indo a loucura quando os jovens pilotos franceses se aproximaram de Herlings. Obviamente motivado pela visão de Herlings, Ferrandis estava correndo a corrida de sua vida. Tixier ultrapassou Butrón e Ferris também procurava por uma passagem.

Coldenhoff também estava se aproximando dos dois primeiros e isso começava a parecer uma grande surpresa no Campeonato da MX2. Anstie subiu para a nona posição, mas Pocock caiu para a 29ª. Nicholls como os três primeiros, começou a se aproximar da ação e ele parecia estar encostando-se a Coldenhoff.

De repente, Ferrandis estava encostado na roda traseira de Herlings e pilotando lindamente. Herlings agora já começava a olhar por cima do ombro. Os fãs franceses estavam em frenesi quando o piloto da casa começou a pressionar Herlings. Pocock foi para o pit.

Alguém tem que imaginar o que teria acontecido com Herlings se ele não tivesse feito o holeshot, porque aquele não era o mesmo Jeffrey Herlings de sempre.  Porém, temos que dar todos os méritos para Ferrandis, que garoto talentoso.

A corrida continuou a trazer problemas e Ferris saiu da corrida com problemas mecânicos e ao mesmo tempo, Tixier, pressionava forte sobre Nicholls na disputa pelo quarto lugar. Febvre também estava fora do seu retorno ao campeonato mundial depois de uma lesão.

Anstie subiu para a sétima posição e Banks Brown estava em 18º. Coldenhoff estava acelerando um pouco mais e se aproximando de Ferrandis que tinha se afastado um pouco de Herlings. Tixier ultrapassou Nicholls e pilotos estavam trocando posições ao longo de todo o circuito.

Herlings ainda se distanciou, mantendo uma liderança de três segundos sobre Ferrandis que estava a dois segundos na frente de Coldenhoff quando a corrida terminou.

Segunda bateria da categoria MX2 

Os pilotos alinharam para a segunda bateria e foi Ferris que fez o holeshot novamente e Herlings foi empurrado para fora. Tixier caiu e depois de algumas curvas foi Nicholls que liderou, Ferrandis se esforçava muito para assumir a liderança. Assim começava outra linda batalha.

Coldenhoff precisou fazer um pit stop e ficou para trás, enquanto Herlings abria caminho pelo pelotão na quarta posição. Mais atrás vinham Pocock em sétimo, Tixier em 15º, Anstie em 17º, Banks Browne em 24º e Coldenhoff em último.

Nicholls estava fazendo um ótimo trabalho, mantendo Ferrandis longe, embora o jovem francês parecesse estar mais rápido do que os dois. Ferris estava fazendo o seu melhor para impedir que Herlings o ultrapassasse e tentando manter-se na briga pela liderança. Butrón também estava no meio de toda essa ação.

Herlings estava avançando, ultrapassou Ferrandis que cometeu um erro e caiu, o que deu a Ferris e Charlier a chance de encostar na roda traseira do francês. A liderança de Nicholls também parecia estar em perigo quando Herlings começou a encostar-se ao piloto inglês.

Ferris cometeu um erro e escorregou em uma subida, permitindo que Charlier e Tonkov passassem. Pocock permanecia em sétimo, Anstie estava na 15ª posição e Coldenhoff avançava para a 23ª posição.

Herlings pegou a liderança na volta nove e Tixier continuou subindo até a 12 a posição. Coldenhoff já estava em 21º e tentava passar para a 20ª posição. Lupino ultrapassou Pocock deixando o inglês na 8ª posição.

Logo depois, Butrón ultrapassou Pocock e Clermont também fez o mesmo quando o jovem inglês perdia terreno para os pilotos do top 10. Ferrandis ultrapassava Nicholls na segunda posição e Tixier passava a ocupar a 11ª posição de Petrov e agora focava em Pocock.

As posições estavam mudando em todo lugar e Ferrandis errou quando tentava ultrapassar Nicholls e Charlier acabou passando. Ferrandis continuou dando motivos para a multidão francesa gritar quando ele ultrapassou Charlier e Nicholls para assumir a segunda posição da bateria e do GP.

Tixier estava em novo, Pocock estava em 13º, Anstie continuava em 15º e Coldenhoff subiu para o 19º lugar. Herlings cruzou a linha de chegada com dois segundos de vantagem sobre Ferrandis e Charlier. Mais uma vitória de GP para Herlings, mesmo com todas as condições difíceis, novamente foi uma dobradinha de primeira posição.

Clique aqui e confira o resultado da oitava etapa do Mundial de Motocross categoria MX1

Clique aqui e confira a classificação do Mundial de Motocross categoria MX1 após oito etapas

Primeira bateria da categoria MX1

Como ele sempre faz, Cairoli assumiu a liderança logo de início, seguido por Van Horebeek, Paulin e Desalle. Mais atrás vinham De Dycker, Guarneri, Philippaerts e Gonçalves. Desalle e Paulin ultrapassaram Van Horebeek rapidamente e avançaram atrás de Cairoli.

1306092132MX1start_MXGP_8_F_2013

Tommy Searle estava em 11º lugar e mais uma vez enfrentava problemas, enquanto outro piloto inglês, Shaun Simpson, estava em 15º. Diferente da MX2, essa corrida parecia um pouco entediante conforme os três primeiros colocados abriam vantagem e fizeram suas próprias corridas.

Porém, a ação do pelotão do meio foi violenta. Nagl, Roelants, Simpson e Boog brigavam bravamente por posições no top 15. Os belgas Desalle, De Dycker e Van Horebeek detinham a terceira, quarta e quinta posições e De Dycker estava pressionando bem Van Horebeek quando ele passou para a quarta posição.

Paulin, de repente, atacou e encostou-se à roda traseira de Cairoli e começou a animar o público. Paulin estava piloto lindamente conforme ele tem feito recentemente nas semanas anteriores. Desalle estava a cinco segundos atrás com De Dycker com mais cinco segundos atrás dele.

Cairoli parecia acelerar um pouco mais e se afastou de Paulin. Um pequeno erro do italiano, possivelmente permitiu que o francês assumisse a primeira posição. Searle começou a atacar, ultrapassando Nagl na nona posição e avançando atrás de Gonçalves e Guarneri que estavam logo à frente.

Em um momento de erros, Cairoli desacelerou e parecia perder o controle quando ele tentava se controlar em uma das sessões de subidas, dando a liderança para Paulin. Apesar do céu nublado, a enorme multidão estava indo a loucura.

Paulin que ainda andava com seu surto de confiança, originado das duas vitórias de GP há um mês, parecia bem suave enquanto Cairoli tentava acompanhar o piloto local. Embora nunca se pode desconsiderar o Cairoli e ele manteve os olhos no líder. Searle continuou na frente de Nagl, embora o piloto alemão não desistisse e continuava desafiando-o pela nova posição.

Paulin e Cairoli travavam uma corrida ótima na frente, aquilo era o verdadeiro Grand Prix de Motocross. Entrando no tráfego, Paulin abriu um pouco de vantagem sobre Cairoli, mas o italiano não desistiu e continuou avançando.

De Dycker e Van Horebeek continuavam a brigar pela quarta posição e Van Horebeek procurava por uma maneira para ultrapassar seu compatriota.

A linda disputa pela vitória da bateria foi vencida por Paulin com apenas uma distância de uma moto em relação ao Cairoli. Os dois comemoraram a corrida juntos diante do público no morro. O espírito da corrida de Grand Prix está vivo e muito bem.

Segunda bateria da categoria MX1

A última bateria do dia largou e os rapazes da MX1 fizeram a primeira curva com Cairoli na frente, seguido por Xavier Boog, Desalle, Strijbos, De Dycker e Paulin. Um acidente na primeira curva derrubou Nagl, Bobryshev, Gonçalves e Barragan.

Searle estava bem colocado na sexta posição, enquanto Paulin caiu para a oitava posição depois de cometer um erro. De Dycker fez uma linda ultrapassagem sobre Strijbos pela quarta posição e Cairoli se afastava do restante.

Boog continuou a segurar a segunda posição de Desalle, mas o belga parecia perigoso. Simpson, Barragan e Philippaerts estavam fora da corrida. Boog não conseguiu conter os rapazes por muito tempo e Desalle e De Dycker o ultrapassaram. Enquanto Paulin subia para a sétima posição, Gonçalves fazia um belo avanço, depois de se envolver no acidente da primeira volta, e agora estava na 15ª posição.

Searle estava pegando fogo, ultrapassou Strijbos para ocupar a quinta posição e depois passou Boog para ficar na quarta posição, logo atrás de De Dycker. Bobryshev também estava avançando forte, ultrapassando Aubin para ficar em 11º lugar na corrida.

Strijbos estava enfrentando problemas e caiu para a sétima colocação, enquanto Searle ultrapassou De Dycker e Bobryshev ultrapassou Aranda. Nagl e Gonçalves estavam indo bem, Nagl na 14ª posição depois de seu acidente na primeira curva e Gonçalves em 15º lugar.

Paulin ultrapassou Boog na quinta colocação e teve a chance de terminar no pódio. Embora na frente, Cairoli passou para 14 segundos sobre Desalle, com Searle a apenas dois segundos atrás do belga e pretendendo assegurar o lugar de vice-campeão da bateria.

Bobryshev ultrapassou Guarneri na nona posição e Paulin tentava ultrapassar De Dycker, conseguindo fazer a ultrapassagem na 11ª volta. Desalle se afastou de Searle, aumentando sua vantagem para quatro segundos, mas continuava a 14 segundos atrás de Cairoli.

Van Horebeek conseguiu ultrapassar seu compatriota, Strijbos, na sétima posição. As férias nos Estados Unidos começaram a aparecer em seu desempenho físico. Nagl subiu para a 11ª posição e focou os olhos no décimo colocado, Guarneri, a distância entre os dois era apenas de cinco segundos.

Van Horebeek também estava pressionando Boog na sexta posição. Strijbos caiu mais duas outras posições, caindo de sétimo para oitavo quando Boog o ultrapassou. Cairoli estava sozinho na frente, agora com uma vantagem de 12 segundos sobre Desalle e 16 segundos sobre Searle. Gonçalves ultrapassou Nagl e passou a ocupar o 12º lugar. Foi Cairoli que venceu a bateria e o GP. Nada parece mudar para a lenda italiana.

Clique aqui e confira o resultado da oitava etapa do Mundial de Motocross categoria MX1

Clique aqui e confira a classificação do Mundial de Motocross categoria MX1 após oito etapas

Calendário do Campeonato Mundial de Motocross MX1 / MX2 2013
Nona Etapa – 16 de junho – Maggiora – Itália
Décima Etapa – 30 de junho – Udevalla – Suécia
Décima Primera Etapa – 7 de julho – Kegums – Letônia
Décima Segunda Etapa – 14 de julho – Hyvinkää – Finlândia
Décima Terceira Etapa – 28 de julho – Lausitzring – Alemanha
Décima Quarta Etapa – 4 de agosto – Loket – República Tcheca
Décima Quinta Etapa – 18 de agosto – Bastogne – Bélgica
Décima Sexta etapa – 25 de agosto – Matterley Basin – Inglaterra
Décima Sétima Etapa – 8 de setembro – Lierop – Holanda

Confira como as etapas anteriores do Mundial de Motocross MX1 / MX2 2013
Primeira Etapa – 2 de março – Doha – Qatar
Segunda Etapa – 10 de março – Si Racha – Tailândia
Terceira Etapa – 1º de abril – Valkenswaard – Holanda
Quarta Etapa – 14 de abril – Arco di Trento – Itália
Quinta Etapa – 21 de abril – Sevlievo – Bulgária

Sexta Etapa – 5 de maio – Agueda – Portugal
Sétima Etapa – 19 de maio – Penha – Brasil

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly