10 motivos para ficar ligado no AMA Motocross hoje

Por Mariah Morgado | Fotos por Divulgação | 29 de junho de 2013 - 7:36

Acertando na primeira vez
Embora Eli Tomac da equipe semi-oficial Geico / Honda tenha tido algumas tocadas extremamente fortes nas segundas baterias neste ano (na semana passada em Budds Creek ele foi quase cinco segundo mais rápido do que qualquer outro na 11ª volta da segunda bateria), seus desempenhos nas primeiras baterias não tem sido de seu alto padrão. Com muitos competidores fortes na categoria, ele terá que começar a vencer também algumas primeiras baterias se ele quiser conquistar um Campeonato Nacional das 250 neste ano. No ano passado, no entanto, ele dominou a primeira bateria em Southwick. Em qual lugar Tomac vai terminar desta vez ?

54617_tomac-buddscreekmx201_4afc9_600

Eli Tomac

Ryan versus Ryan
Salvo algum imprevisto, o campeonato da categoria 450 está alinhando para um confronto entre dois homens, Ryan Dungey e Ryan Villopoto. Os dois se confrontaram em Southwick em 2011 com Dungey vencendo a primeira bateria, e ficou sem moto até a primeira metade da volta de abertura da segunda bateria com problemas mecânicos. Saindo de sua melhor corrida da temporada na semana passada em Budds Creek, e com a vitória no geral do ano passado em Southwick, Dungey tem a empolgação do seu lado conforme a rivalidade volta ao nordeste dos Estados Unidos. Será que Dungey pode roubar a liderança ou será que Villopoto vai aumentar a vantagem ?

O fim de uma era
John Dowd vai encerrar sua carreira onde tudo começou há 26 anos. O Junkyard Dog, ‘Cachorro do lixão’, cujo nome é sinônimo do circuito MX 338, fez sua marca nas areias profundas como um piloto local privado da NESC nos anos 80. Dowd atingiria eventualmente o ápice do esporte, mas Southwick vai sempre ter um lugar especial em seu coração. Com 2013 sendo a última corrida do AMA Motocross na famosa pista, o duas vezes vencedor no MX 338 vai encerrar sua carreira ‘na sua pista’.

54616_dowd_2001_2cudby_399

John Dowd

O retorno de Barcia ?
O retorno de Justin Barcia em Southwick já diz tudo. O nova-iorquino (ou como ele gosta de dizer, nascido em Nova Jersey que depois mudou para o norte) passou muito tempo em Southwick quando era mais novo e isso levou a um enorme sucesso como profissional. Ele venceu no overall na temporada de novato (2009), venceu uma bateria rumo ao segundo overall em 2010 e deu trabalho para os Ryans na 450 em 2011, até mesmo vencendo a segunda bateria. Embora ele não tenha tido muita sorte ultimamente desde seu forte começo da temporada, Southwick pode ser sua melhor oportunidade de desfazer a dominância que os Ryans tem tido no campeonato até agora.

Batalha de quatro
Enquanto a perseguição pelo título da categoria 450 está se tornando em uma batalha de dois homens, na categoria 250 parece um tumulto de quarteto até a linha de chegada. Marvin Musquin, Ken Roczen, Eli Tomac e Blake Baggett todos tiveram uma vitória no geral ao longo das cinco etapas e apenas 32 pontos separam o primeiro do quarto colocado. E Baggett cortou uma dúzia de pontos só no último fim de semana. Por algumas etapas, a dupla da KTM pareceu ter tudo sobre controle, mas na semana passada Baggett e Tomac contra-atacaram. Para qual lado o estímulo vai dar uma ajudinha neste fim de semana ?

Título na linha de chegada
Southwick vai marcar a terceira e última etapa do campeonato WMX Triple Crown. A hexacampeã do WMX, Jessica Patter
son, em sua última corrida no WMX antes de sua transição completa para o GNCC em 2014, está com 14 pontos atrás de Sayaka Kaneshiro, da equipe Honda / Muscle Milk, que está buscando o primeiro título de sua carreira.  Se Patterson ganhasse a quantidade máxima de pontos (50), Kaneshiro teria que ficar em quarta ou pior em cada bateria para Patterson ganhasse o título. Será que Patterson vai sair de Southwick com sua sétima coroa do WMX ou será que Kaneshiro vai estourar a champagne para celebrar a sua primeira ?

54618_wmx-highpointmx2013-c_482be_399

Jessica Patterson

Metty está de volta
Brett Metcalfe não corre nos Estados Unidos desde um grave acidente sofrido quando sua moto ficou sem gasolina durante um treino em julho do ano passado. Sem equipe nos Estados Unidos, Metcalfe optou por correr o campeonato Canadense de Motocross em 2013. Bem, o australiano está deixando o Canadá temporariamente para retornar as terras americanas neste fim de semana no AMA Motocross MX 338. A última vez que Metcalfe correu em Southwick foi em 2011 e ele acabou vencendo. No ano anterior a isso ele estava vencendo antes de ficar sem combustível. Como ele vai se sair nesta etapa ?

Apenas nativos
Toda pista tem traçados e truques especiais conhecidos apenas pelos nativos que treinam ali durante o ano. Isso é especialmente verdade em Southwick, onde parece que todo ano alguns nativos chamam a atenção conseguindo resultados impressionantes ou cravando tempos muito rápidos nos treinos classificatórios. Se lembram de Mike Sotille marcando o tempo mais rápido de todos nas 450 alguns anos atrás ? Pode acontecer. Será que algum piloto local vai se destacar esse ano ?

O Durhaminador
Darryn Durham, da equipe semi-oficial Monster / Pro Circuit / Kawasaki, não teve muita oportunidade para mostrar todo o seu potencial esse ano. Ele finalmente voltou a ação para o AMA Motocross depois de superar diversas lesões, apenas para lesionar a perna em Hangtown. Ele ainda tem corrido, mas sua perna o está segurando. Mas semana passada em Budds Creek, ele deu um passo gigante para frente quando liderou a segunda bateria pelas primeiras dez voltas. Será que ele pode repetir, e possivelmente até melhorar, aquele desempenho em Southwick ?

T-Hahn
Uma grande surpresa foi ver o #58 nos pits nessa sexta-feira. De quem esse número pertence ? Tommy Hahn !! Parecia que Tommy, que subiu no pódio da primeira bateria das 450 em Southwick no ano passado, estava aposentado, mas ele tem treinado algumas tocadas em sua casa no Texas e se sentiu bem o suficiente para correr. Ele vai correr em Southwick e em Red Bud antes de voltar para casa novamente. Ele vai ter a adrenalina fluindo e pode ser uma escolha adormecida para um holeshot. Aguentar 30 minutos mais 2 voltas na areia pode ser uma estória diferente, mas de qualquer jeito, vai ser legal vê-lo na pista mais duas vezes.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly