Falando sobre o Brasileiro de Motocross em Aracaju

Por Mariah Morgado e Jorge Soares | Foto por Cariracross | 16 de julho de 2013 - 16:49

A quarta etapa do campeonato Brasileiro de Motocross 2013 aterrissou na capital sergipana, Aracaju, neste último final de semana, dias 13 e 14 de julho, e esclarecendo, o site Mundocross não prestigiou o evento devido a falta de profissionalismo da assessoria de imprensa da CBM. Mas nós não nos demos por vencidos.

Quem embarcou nessa jornada com a gente foi o locutor nordestino e nosso amigo Cariracross, que entrou em ação e lançou-se na empreitada de representar o nosso site como nosso parceiro na etapa. Diariamente ele percorreu os boxes conversando com os pilotos, mecânicos e membros das equipes e nos enviou fotos, e postou vídeos em tempo real no Facebook, para que os leitores do site Mundocross pudessem desfrutar de conteúdo exclusivo que teriam caso estivéssemos lá.

Na quarta-feira a estrutura começou a ser montada. Os balões de ar foram inflados, a marcação de pista foi colocada, o gate foi montado. Na quinta-feira as equipes começaram a chegar e o box começou a ser preenchido com o colorido das barracas, vans, motorhomes, bandeiras e a noite já tinha-se o formato de final de semana de corrida. Como de costume, a sexta-feira foi reservada para os últimos preparativos dos equipamentos e das motos, a chegada das últimas equipes e as vistorias das motos e capacetes, reuniões finais com a CBM e a socialização da família do Motocross que a cada final de semana viajam como uma caravana de Estado a Estado, rumo a próxima etapa.

A chuva começou a cair na sexta-feira e o sol até tentou aparecer no sábado, mas as nuvens carregadas tomaram conta do céu em Aracajú e a chuva forte inundou a pista da orla de Atalaia, obrigando a direção de prova a cancelar os treinos da manhã. À tarde os guerreiros da MX3 alinharam no gate para enfrentar a areia e a lama. Quem mostrou mais uma vez porque é considerado umas das lendas do esporte e o atual campeão da categoria, foi Chumbinho Becker. O catarinense fez o holeshot e deu um show de pilotagem dentro da pista pesada, liderando a corrida até o final dando mais uma vitória a ProTork.

Davis Guimarães também fez uma boa prova, cruzando a linha de na segunda posição e seguido pelo alagoano Francisco Calixto. Vale ressaltar que o Nordeste colocou quatro pilotos privados entre as dez primeiras posições.o. O atual segundo colocado no campeonato, Erivelto Nicoladelli, caiu durante a corrida e acabou terminando na terceira posição. Israel Feitosa, piloto da região foi destaque na prova e subiu no pódio na quinta posição. A mineira da Mariana Balbi não teve muita sorte nas areias do Sergipe e cruzou a linha de chegada na sexta posição. Wendel Silveira, Walter Tardin e Jadson Teles completaram o top 10 da MX3. O piloto sergipano, Jadson Zangão chegou a ficar entre os cinco primeiros, mas caiu algumas vezes e cruzou a linha de chegada em décimo. Vale ressaltar que o Nordeste colocou quatro pilotos privados entre as dez primeiras posições.

Completando o sábado, os pilotos da MX2 e MX1 entraram na pista para os treinos livres. Thales Vilardi da equipe Honda foi o mais rápido nos treinos da MX2 seguido por Anderson Cidade, Rafael Faria, Hector Assunção e Dudu Lima.

No domingo o dia amanheceu com céu azul e o típico sol e clima nordestino finalmente apareceram para prestigiar o evento e esquentar as corridas. De manhã a pista ainda estava bem encharcada, mas as máquinas trabalharam para tirar o excesso de água e lama. De manhã as motos entraram na pista para os treinos classificatórios. Destaque para Paulo Roberto da equipe Honda / IMS e Thales Vilardi na MX2, Wellington Garcia da equipe Honda e Balbi na MX1. Na categoria 65 o destaque foi para Renan Goto e Leonardo Nunes. Na categoria 230 Regional, quem fez o melhor tempo foi Breno Henrique de Santa Cruz do Capibaribe e o destaque foi para Alex Lucena que estava em segundo, mas sua pedaleira quebrou, se classificando na quinta posição. Na representação Feminina quem foi o destaque foi a pernambucana Laninha Lopes.

Na parte da tarde, com a pista mais seca e mais leve, os pilotos classificados voltaram para a pista para as corridas principais e também enfrentaram o calor e o sol quente. Protetor solar foi um item essencial em Aracaju. No geral da categoria principal, MX1, quem levou a melhor foi Wellington Garcia, seguido por Balbi que não largou muito bem hoje, Carlos Campano e Adam Chatfield. Joaquim Rodrigues, Ratinho, Pipo Castro, Humberto Martin, Jean Ramos e Daniel Pessanha completaram o Top 10.

Na MX2 foi o piloto português Paulo Roberto que venceu no geral e Thales Vilardi em segundo. O gaúcho Marçal Muller ficou em terceiro seguido por Dudu Lima, Sean Lipanovich, Anderson Cidade, Anderson Amaral, Rafael Faria, Rodrigo Lama e Hector Assunção fechando o Top 10 da categoria.

Enzo Lopes levou mais um troféu da categoria Júnior para o Rio Grande do Sul e destaque do Nordeste foi Pedro Neto da equipe Dinotrilha que ficou em décimo. Na categoria foi Laninha Lopes que subiu no degrau mais algo do pódio e seus companheiros de equipe, Alex Lucena e Emerson Popó subiram no pódio da 230 Regional na segunda e quarta posições, respectivamente. Na categoria 65 quem subiu no degrau mais alto do pódio foi o piloto Felipe Menuzzi, em segundo tivemos o Japinha e em terceiro tivemos um piloto do nordeste, Tallys Natan, que superou o líder do campeonato Leo Nunes que acabou na quarta posição na frente do pernambucano Juninho. )

Depois das últimas cerimônias de entrega das premiações, começou todo o trabalho para levantar acampamento. Muitos pilotos desmontaram suas estruturas para pegar a estrada no mesmo dia. E outros resolveram permanecer na capital sergipana e desfrutar um pouco da hospitalidade e conhecer o lugar enquanto esperam a próxima etapa do campeonato em Salvador, no final da próxima semana. Aqueles que ficaram ainda curtiram um pouco mais da chuva que voltou a cair no início da noite.

Deixo aqui o enorme agradecimento do Mundocross para o Carira por todo o esforço, dedicação nesse belo trabalho em conjunto e o carinho que ele e sua família têm conosco. Sem vocês, tudo isso não teria possível. Não poderíamos fazer o nosso trabalho e ajudar a promover e incentivar o esporte. Infelizmente nosso trabalho não foi considerado, levando em conta que o Mundocross é o site, fora da região nordeste, que mais abre suas portas e cede espaço para pilotos regionais, no caso aqui especialmente os nordestinos. A falta de profissionalismo e competência de pessoas ligadas a assessoria de imprensa da CBM mostra o quanto o Motocross ainda tem a evoluir para promover o maior evento do esporte no nosso país ?

1044630_404255386349614_1329678546_n

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly