Pilotos cariocas estão criando uma associação

Por Mariah Morgado | Foto por Divulgação | 15 de Janeiro de 2014 - 9:11

A situação do Motocross Carioca está complicada. Após uma temporada afastada da filiação da CBM, a Femerj está de volta como a Federação oficial do Estado do Rio de Janeiro junto a CBM. A Federação Fluminense de Motociclismo – FFM, que ficou ativa durante a temporada 2013, não consta mais na listagem de Federações vinculadas à Confederação Brasileira de Motociclismo – CBM.

Buscando reverter e melhorar a atual situação do esporte, os pilotos cariocas estão em fase de reuniões para a formulação do estatuto da Associação Carioca de Pilotos de Motociclismo Esportivo (ACPME).

A primeira reunião aconteceu no último final de semana, no dia 11 de janeiro, na cidade serrana de Nova Friburgo, e reuniu pessoas envolvidas com o Motocross, como pilotos, ex-pilotos, chefes de equipe, organizadores de eventos de Motocross e mídia especializada, para discutir os primeiros passos e medidas a serem tomados para a criação do estatuto que irá reger a ACPME, da comissão e dos cargos a serem preenchidos. Assuntos como premiação, segurança, elaboração e construção de pistas, organização de corridas, apoios e incentivos, postura dos associados, função e o papel da associação também foram discutidos para sua inclusão no estatuto.

Não é a primeira vez que o assunto surge entre os pilotos. A iniciativa já tinha sido tomada por alguns pilotos há uns anos, e dessa vez o empresário e organizador de eventos do esporte, Eduardo Mastrangelo está dando prosseguimento a iniciativa com o apoio de Max Rocha, piloto e organizador de eventos.

A iniciativa pioneira dos pilotos, ex-pilotos e chefes de equipe do Rio de Janeiro deu o pontapé inicial na primeira reunião que aconteceu em Nova Friburgo no último dia 11 para a criação da associação de pilotos do Estado visando aprimorar e contribuir de todas as formas para o crescimento das modalidades do motociclismo no Estado e assim voltar aos tempos de ouro e vendo uma forma de contribuir também para a ABPMX descentralizando as ações e fortalecendo a entidade mãe”, disse Eduardo Mastrangelo.

“Já foram discutidos vários pontos e marcamos no dia 1 de fevereiro a segunda reunião para aprovação do estatuto e nomeação dos cargos para assim começarmos avançar de forma coesa e com um mesmo objetivo. Tirar o Motocross do Brasil do fundo do poço.Sei que de todas as ações tomadas nos últimos anos, a criação da associação de pilotos com certeza é a mais correta, pois irá agregar todos que fazem parte do motociclismo.

Já passou da hora de encaramos a realidade e sem união e bom senso a tendência é piorar e com a força de um grupo devidamente constituído, a coisa vai mudar e terão que sentar a mesa, pois a bola está com a gente”, conclui o empresário, organizador de eventos de MX e chefe de equipe.

Na reunião ficou decidido que todos iriam estudar a base do estatuto apresentada em Nova Friburgo para caso seja necessário que sejam feitas alterações e/ou acrescentem-se novos tópicos, e caso surjam novas sugestões que seja tudo apresentado e discutido na próxima reunião que está marcada para o dia 1 de fevereiro de 2014, em Rio das Ostras.

1552190_569034576523147_616076880_o

Vamos torcer para que a iniciativa siga adiante e dê uma reviravolta na situação do Motocross Carioca.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

é Editor do Mundocross, site que foi lançado por causa de sua paixão por Motocross e Supercross. Em 1990 ele começou a escrever sobre motos no Jornal VS, em São Leopoldo, no RS, numa coluna onde escrevia sobre Trilhas, Enduro e Motocross. Depois também escreveu para o Jornal O Pódium, Revista Moto Action. Nestes 24 anos teve experiências em eventos internacionais, como Mundiais de Motocross, AMA Supercross, AMA Motocross, Motocross das Nações e US Open Supercross.

Desenvolvido por GetFly