Tim Gajser sobe para a categoria MXGP em 2016

Por Mariah Morgado | Foto por Honda Gariboldi Racing | 16 de novembro de 2015 - 14:33

Permanecendo na equipe Honda Gariboldi Racing, o atual campeão mundial MX2, Tim Gajser, se juntará a Gautier Paulin e Evgeny Bobryshev na MXGP na temporada 2016 do Mundial de Motocross. O esloveno de 19 anos estreará com a CRF450RW em Fevereiro no Qatar.

O anúncio da mudança de categoria aconteceu hoje durante o evento EICMA em Milão, na Itália, como parte do anúncio oficial da Honda para as equipes da fábrica no Mundial de MX, MotoGP, Trial e Dakar/Rally.

EICMA_Gajser_2

A mudança não será um choque para Gajser já que está familiarizado com a potência das motos grandes pois adotou-as em seu programa de treinamentos para a MX2. Nos últimos dois anos, ele disputou o Nações na categoria Open com uma CRF450RW e já vem testando sua moto para o ano que vem.

Com um contrato de longo prazo com a Honda Racing Corporation até, pelo menos, o ano de 2020, o esloveno passou de estrela ascendente em 2014 para ponto mais elevado do Campeonato Mundial. Conquistar a coroa de campeão mundial neste ano de forma espetacular até a última etapa, com apenas 19 anos, ele está fazendo a mudança para a categoria veterana com apoio total da equipe, Honda e da Honda Racing Corporation.

Tim Gajser: Estou animado em mudar para a MXGP na próxima temporada. Esse ano foi um sonho, foi tudo que nós sempre quisemos conquistar e estão tão feliz em ter deixado essa marca na história para mim mesmo, para a Eslovênia, para a equipe e para a Honda. É uma sensação maravilhosa. O plano já era esse, quando formos campões da MX2, nós subimos para a próxima categoria, mas nós não esperávamos conquistar o título neste ano, então estou um pouco surpreso. Um grande agradecimento para a Honda e a HRC por terem fé em mim e por me darem tamanho apoio na MX2 este ano e por me darem uma moto e apoio completamente de fábrica para a MXGP no ano que vem. Estou muito ansioso para pilotar a CRF450RW. Gosto muito da moto e na verdade, eu gosto ainda mais do que a 250. Sou alto, então a 450 é mais poderosa e mais fácil de pilotar com o meu tamanho. Eu sempre treino com a Honda 450 em casa e nessa temporada eu estava apenas usando a 250 nas corridas, então foi um pouco difícil ficar trocando de motos desse jeito. Agora eu tenho uma 450 completamente de fábrica, mas fora a força, não é uma moto nova para mim. Eu já comecei a testar a moto para o ano que vem e a amei de verdade. É um novo começo, uma nova categoria e coisas novas para todos nós, por isso que a primeira temporada não haverá pressão e eu só vou tentar dar o meu melhor possível. Quero apenas pegar experiência no primeiro ano, os outros pilotos ao meu redor são muito mais experientes na MXGP, então eu vou apenas tentar aprender o máximo que puder ano que vem. Em minha temporada de novato, eu vou tentar alguns pódios, mas sem me colocar sob qualquer tipo de pressão. Estar aqui no EICMA ao lado de pessoas como, Gautier, Bobby, os pilotos da MotoGP e todos os pilotos de fábrica da HRC é maravilhoso. Eu nem sei te dizer o quão orgulhoso estou em ser parte dessa família e o quão motivado estou em seguir essa direção no ano que vem.” 

Giacomo Gariboldi, diretor da equipe: “Nós sempre soubemos que tínhamos uma estrela no Tim e ele provou isso neste ano com o seu, e o nosso, primeiro título da MX2. O fato que ele está ainda mais forte com a CRF450RW me deixa muito animado para a próxima temporada. Ele é um garoto grande e a moto maior fica bem com ele. Ele treina bastante na moto e está muito familiarizado com ela e a pilota muito bem. Para nós, também é uma grande honra poder subir para a MXGP em 2016. Quando nós começamos essa jornada com a Honda, nós sempre esperávamos por coisas grandes e agora tudo que sonhamos está se realizando, e por isso gostaria de agradecer a Honda e a HRC por seu comprometimento e fé em nosso trabalho.” 

Roger Harvey, diretor geral da HRC/MXGP: “Eu acho que todos nós estamos entusiasmados em ver o que Tim pode fazer com uma CRF450RW no ano que vem. Nós sabemos que ele pilota uma muito bem e passa muito tempo treinando com a moto que tem em casa, e enquanto isso será um grande passo, eu acredito que ele estará muito forte. Dito isso, ano que vem não haverá pressão sobre ele. Será um ano de transição para ele aprender e ganhar experiência; A equipe Honda Gariboldi Racing é o ambiente perfeito para Tim e a família Gajser, como vimos com o título da MX2 desse ano, então ele vai permanecer sob as asas deles com apoio total da HRC. Eles fizeram um trabalho fantástico este ano e nós sentimos que a hora é a certa para essa graduação.” 

Fonte: Honda Gariboldi Racing 

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Desenvolvido por GetFly