Cyro de Oliveira completa 20 anos de história no Motocross

Por Whipress Comunicação | Fotos por Marcelo Marafante | 10 de dezembro de 2015 - 20:47

Duas décadas de motocross. Das corridas às manobras. Incluindo títulos, feitos e ajudar a fincar as bases do que é hoje o freestyle motocross nacional. Em 2015 Cyro de Oliveira completou 35 anos. Destes, 20 dedicados ao motocross. E com muitos mais no horizonte. Motivados sobretudo pela paixão que resultou numa vida dedicada ao esporte.

Ponteiro nas corridas, piloto foi um dos pioneiros na transição para o FMX no Brasil, e contribuiu para fincar as bases da modalidade no País.

Ponteiro nas corridas, piloto foi um dos pioneiros na transição para o FMX no Brasil, e contribuiu para fincar as bases da modalidade no País.

Desde cedo Cyro se conectou aos esportes de ação. Correu provas de BMX. Aventurou-se no mountain bike, e até no skate. Contudo, foi no motocross onde se encontrou. Quando um amigo comprou uma moto de cross 125. Naquela primeira pilotagem, soube: “É isso que eu preciso”. Era o encontro de duas paixões: esportes de ação e motos.

581438e8-5c69-4091-90df-c6cdff9501d9

O contato inicial evoluiu para a primeira moto em 1995, e uma carreira nas corridas. Oito temporadas no total: cinco nos Brasileiros de Motocross e Supercross (1997-2000). Seguidas por três no Arena Cross (2001-2003). Cyro ainda correu três provas no Mundial de Motocross 125 (1998-2000) quando o campeonato passou pelo País, com a marca de terminar entre os quatro melhores brasileiros em duas ocasiões.

Em 2000 chegou à quarta colocação no Brasileiro de Supercross, e à quinta no Brasileiro de Motocross. E naquele mesmo período, novo desafio para o piloto começava a ganhar contornos: o freestyle motocross.

 K7KCAPBdk4WiybZSxPuy3T0-ZM5An1Fjz_2Q13QyfGY

Pioneirismo nas manobras

A vocação para os esportes de ação estimulou as manobras de Cyro. Vieram naturalmente. Encontraram a companhia de outros pilotos, como Antony Poccoroba (norte-americano que vivia no Brasil) e Jorge Negretti. Além do incentivo dos fãs, sempre pedindo manobras nas corridas.

 “Nas corridas a galera pedia para tirar as mãos. Fazer no foots. Pediam para entortar nos ‘mesões’”, relembra Cyro.

yDTFr-9H1z45kam2PlUjwOjB45-yExDuecd647ppaow,uYU5jh8bpwhpaUTgo7Iqip_EeFj-dVtKZei_wrALbrA,ldLGu3LRs1hvXRYS_bFPnHIvUh1BRrSw_6Sg8Sn-mSo,A5R2iC4mAdPzPk1GdlHFRQ8kkuoRTTZ_h90IZjAUCXg

Naquela início dos anos 2000, Cyro cita que Jorge Negretti teve a ideia de criar a primeira estrutura móvel para shows de freestyle motocross no País. Daí o convite para integrar o que viria se tornar a equipe.

 “Começamos a fazer shows pelo Brasil, junto com o Marcos Dracena e o Nathan Azevedo. Assim surgiu o freestyle motocross por aqui. Pouco depois os irmãos Bergamini voltaram dos Estados Unidos, e se integraram aos pioneiros da modalidade”.

Cyro revela curiosidades da época: “O pessoal via o caminhão (estrutura móvel) e perguntava o que era. Banda? Circo? Quando a gente falava que era freestyle motocross, ninguém sabia o que era”, conta bem-humorado.

mKTdPeot4fCR0t-vq7o49qrKonzDzv7H7lSs-ggINb0

Em 2003 ocorreu na cidade de São Paulo a primeira competição de FMX no Brasil. O vencedor: Cyro de Oliveira. Além da conquista pessoal, o resultado entrou para a história da modalidade. Cyro tornou-se o primeiro piloto a vencer uma competição de FMX pilotando uma moto quatro tempos (Yamaha YZ 250 F).

 “Era uma moto muito diferente das de hoje. Muito boa. Mas ainda tinha muitas tendências. ‘Pesava’ a traseira nos saltos, mas tinha um freio motor forte, que te jogava de ‘bico’. Sem contar que para ligar era uma missão”, avalia o piloto.

Depois acrescentou mais títulos à carreira, como o Best Trick do Latino Americano de FMX em 2005. Além de protagonizar momentos memoráveis para a modalidade no País. Como o backflip nos X Games Brasil 2008.

Hoje, mais do que realizado, segue evoluindo. Impulsionado pelo amor a todas as formas do motocross. Engrenagem fundamental para a difusão do FMX no Brasil, Cyro enxerga longo futuro pilotando. “Até quando Deus me der saúde e forças para aguentar o tranco”, o horizonte de longevidade sobre a moto pelo ponto de vista do piloto. 

crfwgwe

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Desenvolvido por GetFly