Desafio das Estrelas trouxe a nata do Motocross à Taça 62 anos de Ibirubá

Por Sílvio Bilhar | Fotos por Sílvio Bilhar | 08 de março de 2017 - 13:07

 

Pilotos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e até do Uruguai disputaram nesse final de semana 4 e 5 de março do Desafio das Estrelas de Motocross, “Taça 62 anos de Ibirubá”. Nomes de pilotos consagrados e campeões no Brasileiro de Motocross e no Arena Cross como Jean Ramos, Thales Vilardi, João Pinho Ribeiro e Humberto Machito nas categorias pró e campeões em outras categorias de base e motos nacionais além de campeões gaúchos da temporada passada estavam disputando quase R$20.000,00 em premiação e troféus. O Moto Clube Papa Léguas preparou uma grande festa para receber as feras e o box lotou como era de se esperar. A etapa que teve a autorização da FGM, que foi representada pelo vice – presidente Luizinho Rizzoto que deu as boas vindas e essa prova extra que também serviu de uma espécie de abertura da pré – temporada 2017.  Veja como foram os duelos.

Chico Louco vence a Intermediária MX1

A categoria Intermediária MX1 foi a primeira a entrar na pista com o catarinense Vitor Fontana fazendo o hole shote e colado nele o carioca Walter Tardim e o gaúcho Vanderlei da Silva, O Chico Louco. Na volta seguinte Tardim aparece em 1º, mas Vanderlei parte com fome de vitória, faz a ultrapassagem na curva um e aos poucos abre vantagem na pista. Fontana e Valter que cometeram erros fazem prova de recuperação.  Na 3ª volta Everton da Silva, O Grilo que largou em 4º lugar aparece como vice – líder, mas a surpresa foi a tocada do uruguaio Pablo Florin que saiu do 10º lugar na largada para o 3º e brigando com Grilo. Era líquido e certo e Pablo agride e assume a 2ª colocação com 1/3 de prova. Vanderlei abre e vence a prova, seguido de Pablo, Vitor que se reencontrou na corrida chegou em 3º, Gabriel Carbonera em 4º e Grilo completou o pódio.

Vanderlei “Chico Louco” venceu o desafio na Intermediária MX1

Anacleto levou a Taça na categoria Nacional Força Livre

Cássio Anacleto, catarinense radicado no RS e atual campeão gaúcho largou na frente da Nacional com Danny de Oliveira em seu encalço. Mais atrás no duelo pelo 3º lugar vinham Daniel Koeller, O Pastel e Leandro Fole trocando farpas. Cássio a cada volta aumentou a diferença e nas voltas finais administrou a prova até a quadriculada. Danny chegou em 2º com Daniel em 3º, Fole em 4º e Jair Ribeiro completou o pódio.

Na Nacional Força Livre Cássio levou a melhor

Carbonera vence a intermediária MX2 no retorno às pistas

A largada teve Vitor Fontana, Gabriel Carbonera, Maiara Basso, Joaquim Ferreira, O Paqui e Gabriel Andrigo fechando o pelotão principal da categoria Intermediária MX2. Gabriel partiu para o ataque e logo no começo da corrida já buscou a liderança deixando a broca de segurar os ataques de Maiara Basso, a Gringa para Fontana. Aos poucos Carbonera já dominava as ações de pista enquanto que Joaquim Paqui vinha “comendo pelas beiras” encostava de vez em busca da vitória. Gabriel Venceu o duelo, Paqui fez ultrapassagens sobre Maiara e Fontana para chegar em 2º lugar. Fontana, Maiara e Bruno Schmitz em recuperação completaram o pódio principal.

Carbonera volta com vitória no Desafio das Estrelas

Garmichel leva o desafio na categoria 65cc

A curva um da 65cc foi dividida pelo campeão gaúcho e brasileiro Henrique henicka, Garmichel Giehl e Guilherme Bresolin. A volta inicial teve Henicka e Guilherme trocando de liderança e todos na mesma tocada. Bresolin assume a ponta, seguido de Garmichel, Henicka, Rafael Becker e Kauê Benatto. Garmichel ataca, muda de trajetória e assume a liderança. Henicka e Becker continuavam o duelo pelo 3º posto. Por fim, Garmichel leva a melhor e vence o desafio das estrelas com Bresolin em 2º, Rafael Becker em 3º, Henicka em4º e Kauê em 5º lugar no pódio da categoria 65.

Jean Ramos vence o desafio na MX2

A largada teve no pelotão principal Leonardo Lizott, José Felipe Mombach, Marcelo Mazziero, Lucas Basso,Pablo Florin e Jean Ramos dividindo a curva um.  Mombach erra a tomada na saída de curva e fica pelo caminho. Na frente Lizott puxava o pelotão numa grande tocada. Maziero, Jean,Thales Vilardi e João Pinho já apareciam em duelos acirrados a  cada palmo de pista. Na 2ª volta o pelotão se ajeita com Jean em 2º lugar e encosta em Lizott que fazia uma corrida sem erros e muito focado. Foram 13 minutos de muita alternativa até chegarem aos retardatários na curva do pit stop, quando Jean negocia melhor para assumir a liderança. Lizott se manteve em 2º apesar da chegada de Thales nas voltas finais. Jean Ramos vence e leva o prêmio de R$1.000.00 para o Paraná, Lizott chegou em seguida com Thales em 3º. Ainda tivemos João Pinho e Marcelo Mazziero subindo nas últimas duas peças do pódio.

Jean Ramos venceu a MX2

Cordeiro na MX3 e Florin na MX4 se consagram no desafio das estrelas

As categorias MX3 e MX4 largaram juntas na disputa da premiação, mas classificaram-se separadas. Na curva um apareceu Pablo Florin puxando o pelotão geral das categorias. Florin inclusive estava inscrito nas duas categorias. Seguindo o uruguaio, aparecia Gustavo Visoto, Walter Tardin e Everton Grilo da Silva, Fabiano Ribeiro e Vanderlei da Silva. Na segunda volta, já aparece a figura do catarinense Marcos Cordeiro buscando posições e encosta no pelotão da frente após ter largado mal com Vanderlei da Silva em 3º. Foram três voltas de muita alternativa a cada curva, o uruguaio e o catarinense levantavam o público que passava de3mil pessoas naquela tarde. Marcos Cordeiro ataca e não deixa para depois, com 1/3 de prova assume a liderança, administra até o final para levar o troféu maior na MX3, já o troféu da MX4 ficou com Pablo Florin. Pela MX3 ficou assim: Marcos Cordeiro, Pablo Florin, Vanderlei da Silva o “Chico Louco” Walter Tardin e Virlei Wandscher os cinco primeiros. A MX4 ficou assim: Pablo Florin, Walter Tardin, Gustavo Visoto, Fabiano Ribeiro e Everton da Silva, O Grilo.

O catarinense Marcos Cordeiro levou a MX3

O uruguaio Pablo Florim conquistou a MX4

Bruno Schmitz leva a Taça 62 anos Ibirubá na categoria 85cc

O começo de prova impactante com Gabriel Andrigo e Bruno Schmitz largando lado a lado, mas com Andrigo fazendo o hole shote com 15 metros de vantagem. Bruno insatisfeito não perde tempo parte pra cima de Andrigo e logo assume a ponta da bateria. Em 3º Garmichel e Rafael Becker e Guilherme Bresolin mais atrás. Bruno logo abre vantagem e vence a categoria seguido de,  Andrigo, Garmichel Giehl, Henrique Henicka que recuperou posições e Rafael Becker completando o pódio.

Bruno Scmitz, que é campeão gaúcho da Júnior, venceu a 85cc no Desafio

Novatos importadas teve vitória de do gaúcho Vinícius Wottrich

O piloto da casa André Gonçalves Schiefebein até fez bonito largando na frente seguido de Sergio Zarbielli  (Kiko), Vinícius Wottrch, Everton Schiavi , Alexsandro Correa e Sandro Soares.  André e Kiko travam grande duelo na volta inicial mas ambos erram na 2ª volta e Vinícius assume a liderança com Everton e Luiz Dorigon que fez voltas rápidas e chegou no pelotão. Vinícius não erra e vence a etapa com Everton, Dorigon, Zarbielli e Alexsandro Correa.

Vinícius #115 leva a melhor sobre Everton #112 e vence a Estreantes Importadas

Thales Vilardi leva a Taça 62 anos de Ibirubá ao vencer as duas da MX1

A última categoria da tarde foi a MX1, entretanto era a 2ª bateria, visto que no meio da tarde já ocorrera a prova inicial.

Bateria um: Thales Vilardi largou na frente seguido do campeão gaúcho na MX1 e MX2 José Henrique Mombach, Jean Ramos, João Pinho Ribeiro e Lucas Basso, isso ao completar a 1ªvolta. A cada volta Thales abre importantes metros na pista deixando o duelo pelo 2º posto entre Mombach e Jean. Foram muitas voltas até que na metade final da disputa Jean obteve o resultado de muita pressão e assume a vice-liderança. Thales vence a 1ª prova com Jean em 2º e Mombach na 3ª posição após segurar os ataques de João Pinho o 4º.

Largada acirrada na 2ª bateria

Bateria dois: Inverteu-se a largada com Jean Ramos largando na ponta coma fera Thales Vilardi em 2º e Humberto Machito em 3º. Mais atrás Leonardo Dambrós, Leonardo Lizott, Mombach e João Pinho completando o pelotão inicial. Jean pilotava como nunca, mas Thales não deixava o paranaense abrir vantagem e pressionava a cada curva, a cada salto. Faltando 13 minutos para a quadriculada, veio a definição. Thales planejou e ultrapassagem e assumiu a liderança. Jean ainda tentou retomar a posição que lhe daria a vitória na Taça do Desafio das estrelas. Thales andou forte, venceu também  a segunda bateria somando 50 pontos e engordando sua conta com R$1.500,00. Jean somou 44 pontos foi 2º e levou R$1.000,00. Na bateria Machito foi 3º andando bem na 2ª prova, o que não havia acontecido na primeira. O pódio geral teve então: Thales Vilardi, Jean Ramos, João Pinho Ribeiro, José Felipe Mombach e Leonardo Lizott.

Thales venceu as duas da MX1

O que eles disseram em suas entrevistas ao locutor Valério Neto:

 Thales“Minha moto se comportou muito bem, estava perfeita na preparação. Fiz uma boa largada na 1ª bateria para vencer. Na 2ª bateria, cuidei para não me enroscar na largada e administrei atrás do Jean até encontrar a melhor hora de atacar, ele é um cara muito experiente, por isso foi com um gosto diferente. Ofereço essa vitória ao meu pai (Shell) e ao  povo de Ibirubá que torceu muito por mim, eu percebia a cada volta.”

Festa do pódio da MX1

Jean“Não me soltei na pista na 1ª bateria. Na MX2, encontrei o ponto certo para vencer.  Na 2ª da MX1, larguei melhor, me encontrei na pista, me soltei, mas hoje o Thales estava no seu dia foi melhor e num vacilo meu ele fez a ultrapassagem. É um grande piloto, meio esquentadinho fora da pista, “risos” – Dou os parabéns a ele pela vitória na MX1, a MX2 foi minha. Na geral foi um bom treino para o que vem pela frente na temporada 2017.”

O locutor Valério Neto, um dos mais renomados do país, entrevistando o piloto carioca, radicado no RS, Wlater Tardin que comentou em nome dos pilotos sobre o desafio das Estrelas de motocross.

 

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Sílvio Bilhar começou em março de 1995 o jornal O Podium, exclusivo sobre motociclismo, antes disso teve participação durante 3 anos no Jornal Pit Stop (Hoje é Revista). Estudou Relações públicas na FEEVALE em N.Hamburgo, Jornalismo em São Leopoldo e fez diversos curso de aprimoramento, entre eles de Publicidade e Marketing e de Jornalismo Esportivo, cuja aprovação foi com louvor. Ainda hoje é editor e proprietário do Jornal O Podium cujas informações é de ser o único do estilo no Brasil. Assumiu o Mundocross após o falecimento de seu grande amigo Jorge Soares, que chegou a escrever por alguns anos uma coluna no Jornal. Ambos parceiros e colaboradores nos dois veículos. Natural de Montenegro/RS, nasceu em 10 de fevereiro de 1965. Mora a mais de 25 anos em Novo Hamburgo, região da Grande POA no RS.

Desenvolvido por GetFly