ENTREVISTA MUNDOCROSS COM NASRI SARKISS – O QUE ESPERAMOS PARA 2017?

Por Mariah Morgado | Fotos por Arquivo/Bamba Racing | 27 de março de 2017 - 20:13

Dando continuidade em nossa série de entrevistas de começo de ano, hoje Mariah Morgado sentou para entrevistar o paranaense e bicampeão brasileiro de Velocross, o ‘Turco’, Nasri Sarkiss.

Placa de 5 segundos no ar, largou…

Mundocross – Piloto, vamos largar com uma retrospectiva da temporada 2016. Como foram as suas competições no ano passado?

Nasri – Depois da minha fratura em 2014, em 2015 e 2016 passei mais tempo dentro da clinica fazendo fisioterapia do que fazendo preparo físico ou treinando com a moto. Mas a temporada passada foi boa, conquistei o pentacampeonato de Velocross na Categoria VX4 Especial, 3º na VX3 Especial e 4º Lugar geral no Nacional de Velocross nas categorias VX3 E VX4 Especial.

Mundocross – Ainda sobre 2016, o que você achou dos campeonatos no Brasil e no exterior? E os pilotos?

Nasri – Tanto o Campeonato Mundial de MX como o Campeonato Americano de SX e MX continuam com um ótimo padrão de organização, divulgação e nível de pilotos,  jánão posso dizer o mesmo do nosso Nacional de MX que infelizmente vai de mau a pior!!! É muito triste ver a que ponto chegou nosso MX, sem calendário fixo, baixa adesão dos pilotos, divulgação zero, e vários problemas que não são segredo pra ninguém. Tanto que chegamos ao cúmulo de não ter nem premiação. Realmente lamentável!!!

Mundocross – Como você vê o futuro do esporte no Brasil e lá fora?

Nasri – Lá fora as expectativas são sempre boas, pois o esporte é dirigido por pessoas comprometidas, que querem o crescimento do MX e empresas patrocinando. Já nosso MX como mencionei, está agonizando, e se não tivermos uma mudança radical, não vejo melhora. Quanto ao VX posso dizer que foi um ótimo campeonato Nacional, feito em parceria com as Federações do PR, SC, RS, MS e GO que fizeram de tudo pra que tivéssemos etapas bem organizadas.

Mundocross – Vamos falar agora de 2017. Quais os seus planos para esta temporada? 

Nasri – Esse ano volto a disputar o Estadual de Motocross, fiquei fora das últimas três temporadas por conta de lesões. Também vou participar do Nacional e Estadual de Velocross.

Mundocross – Como será sua pré temporada?

Nasri – Voltei a academia e bike, alem dos treinos com moto.

Mundocross – Quais suas expectativas para os campeonatos brasileiros e estaduais em 2017?

Nasri – São sempre boas, quero estar no pódio e consequentemente disputar títulos.

Mundocross – E suas expectativas para os campeonatos estrangeiros como o AMA SX, AMA MX e MXGP? Apostas?

Nasri – No SX e MX USA tem mais de um candidato ao título da categoria principal, mas minha torcida é pro Tomac #3 e o Reed #22 que apesar de ser um veterano, pode surpreender com alguns pódios. Já no Mundial de MX acredito que o Gajser #243 leva o campeonato novamente, mas nunca descartando o Cairoli #222.

Mundocross – Para você, quais serão os desafios esperados para 2017?

Nasri – Voltar a disputar um título no Estadual de Motocross e Nacional de Velocross, são realmente meus maiores desafios.

Mundocross – Quais as suas aspirações e metas no esporte?

Nasri – Cheguei muito mais longe do que jamais imaginei, ainda mais depois do meu grave acidente em em 2010, quando um dos médicos disse que jamais voltaria a pilotar uma moto de competição. Conquistei títulos em todas as modalidades e categorias que participei, então hoje em dia quero simplesmente me divertir e continuar trabalhando pra melhorar o esporte e formando novos pilotos.

Mundocross – Em 2017, teremos a volta do Campeonato Brasileiro de Supercross. O que você acha?

Nasri – Se for um Campeonato bem organizado, com boa estrutura, divulgação, premiação. Acho ótimo, afinal é mais um campeonato pra que os pilotos possam divulgar seus patrocinadores.

Mundocross – Na sua opinião, o que precisa ser feito para melhor a situação do esporte no Brasil? Sugestões?

Nasri – Pra começar mudar a gestão da CBM, precisamos de pessoas realmente comprometidas com o crescimento do esporte do Brasil. Depois disso temos MUITAS mudanças a serem feitas.

Mundocross – E os patrocínios e apoios para 2017?

Nasri – BelParts/ Motul/ Adrenalina MX/ Kawasaki/ Thor/ Leandro Borges/ AVTC/ TBT Suspensões/ Sinco Factory Conceps

Mundocross – Muito obrigada por bater esse papo com a gente. Feliz 2017 e desejamos boa sorte e boas corridas. Agora o espaço e a palavra são todos seus.

Nasri – Eu que agradeço  a vc e ao Mundocross pelo espaço e apoio de sempre, são de pessoas como vcs que nosso esporte precisa pra continuar vivo.

Perfil do piloto Nasri Sarkiss

Nome completo: Nasri Weinhardt Sarkiss

Data de nascimento: 09/02/1969

Cidade onde nasceu: Lapa

Cidade onde mora: Lapa

Apelido: Turco da Lapa

Quando ingressou no esporte: 1986

Motos atuais: Uma Kawasaki 450 – 2017 e uma Kawasaki 450 – 2016

Moto favorita: Kawasaki

Principais títulos: Bi-Campeão Brasileiro de Velocross, Bi-Campeão Sul Brasileiro, 24 Títulos Estaduais nas modalidades Motocross, Supercross, Velocross e Arena Velocross.

Ídolo no Motocross Nacional: Guilherme Boing, Eduardo Saçaki

Ídolo no Motocross Internacional: Rick Jhonson, Jeremy Mcgrath

Pista de Motocross favorita em seu estado: Sarkiss MX Track

Pista de Motocross favorita no Brasil: Carlos Barbosa – RS

Pista de MX favorita no exterior: Glen Hellen USA

Comida favorita: Feijão e arroz

Bebida favorita: Café com leite

Estilo de filme preferido: Comédia Romântica

Comida nos dias de corridas: Frutas, Massas

Bebida nas corridas: Água e Água de coco

Lazer preferido: Cinema

Esporte preferido fora o Motocross: Bike e Musculação

Facebook: Nasri Sarkiss

Instagram: Sarkiss 153

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Desenvolvido por GetFly