Erval Grande recebeu pela 6ª vez o Gaúcho de Velocross

Por Sílvio Bilhar | Fotos por Sílvio Bilhar | 22 de junho de 2019 - 2:17

O Pro Tork Gaúcho de Velocross  teve a 3ª etapa em 15 e 16 de junho em Erval Grande, prova promovida pelo Moto Clube Cachorro Loko e supervisão da FGM. Erval, Cidade a Noroeste do estado do RS recebeu mais de 185 pilotos do estado e também de SC. A etapa, que valeu também para Copa Norte teve ainda no sábado 6 corridas válidas pelo campeonato.

A primeira a entra em pista foi a VX4 Importada, e teve Giovane Pick largando na frente para vencer de ponta a ponta ele que teve duelo com Paulo Kappes no começo e depois com Rodrigo Volcan, que havia vencido a 2ª etapa em Tupanciretã.  Na etapa, Pick venceu com Volcan e Kappes em seguida.

Em seguida veio a VX45 e VX50 Nacional. Danny de Oliveira largou na frente com Giovane Pick e Luis Carlos Berger que abandonou mais tarde. Pela VX50, Marco Farias, o vencedor da etapa de Tupanciretã largava na ponta. Danny venceu a prova com Pick pressionando e chegando colado na sombra do vencedor. Na VX50, a volta de Fernando Sanches levou a melhor com Giovane Colleto em 2º.

Já na 55cc A e B, Maria Luiza Smytka e Willian Baugarten largando lado a lado na ponta com Lucas Valar em 3º. Na 2º volta João Vitor Lanzzarin em recuperação aparece na frente. Lanzarin, Lucas e Willian duelam durante toda prova. Pala categoria A, Lucas venceu em Erval, e já havia vencido em Tupanciretã. Willian foi 2º. Na classe B, Lanzarin venceu as duas com Heitor Zorzo em 2º e Luiza recuperando com garra a 3ª colocação.

As categorias VX 45, VX50 e Feminina Importada entraram juntas na pista. Amir Tenedine fez o hole shote com Maiara Basso e Giovane Pick. Maiara levou a Feminina de ponta a ponta e soma 75 pontos com vitórias em todas as provas. Amir abre no começo da corrida, mas Pick recupera, passa Maiara e na reta final assume a liderança para vencer a VX45 Importada, já havia vencido em Tupanciretã. Amir foi 1º na VX50 importada, na 2ª e na 3ª etapa.

A VX4 Nacional teve Danny Oliveira e Luciano De Conto largando lado a lado. Danny pula na frente, seguido de Jocemar  Magni e De Conto fechando a volta inicial.Elizandro da Costa vinha no pelotão principal. Danny venceu em Erval Grande com De Conto que lidera a categoria junto com Elizandro da Costa o vencedor da 2ª etapa.

Onze pilotos participaram da categoria VX Feminina nacional e teve Janaina Todeschini largando na frente e fazendo o hole shote seguida de Kamila Rocha e Jordana Zuffo. Janaina venceu de ponta a ponta com Kamila, a vencedora da prova passada em 2º e Jordana em seguida.

Pela 65cc, o piloto de Santo Cristo, Caio Holz está em boa fase, venceu todas baterias até agora. Em Erval Grande largou na ponta e não deu chances aos adversários. Bernardo Zílio largou em 3º e chegou em 2º. Luiz Fagundes foi 3º após perder o duelo para Zílio.

Na Intermediária VX2, Maurício Miorando largou na ponta e não vacilou, deu o ritmo de prova para vencer de ponta a ponta. CristoferMeert que largou em 4º, foi o 2º com Arthur Oliveira em 3º.

Em seguida veio a 230 Pró com Mauro Brazaca Júnior completando a volta inicial na ponta. O Hole Shote foi de Jader Martini que errou e caiu para 5º lugar. Mauro duela com Jordan Martini na volta inicial com Mateus da Costa no bloco inicial. Brazaca fecha a porta e se dá bem na etapa, vence de ponta a ponta com Jordan em 2º, ele que venceu em Tupanciretã a 2ª etapa. Guto Freitas foi 3º na etapa de Erval Grande.

O Líder Charles Oliveira largou na ponta com Elizandro Costa, O Costinha e Anderson Alberton em 3º. Costinha assume a ponta e os 3 fazem duelo por 3 voltas. Costinha e Alberton se tocam, sobrou para Costinha que abandona a prova. Mais tarde Alberton dá o bote, assume a ponta e vence a 2ª prova seguida. Charles e Ronei Curzel chegam logo em seguida.

A Júnior teve Eduardo Bonamigo vencendo a 3ª etapa e com isso assume a liderança da competição. Em Tupanciretã Henrique Righi venceu a etapa e abandonou em Erval Grande. Lorenzo Machado foi 2º na etapa com Hiago Dalla Valle em 3º.

Por sua vez a VX2 teve Mateus Basso largando na ponta seguido de Marcelo Mazziero e Mauro Brazaca JR. Na 4ª volta, já em 2º lugar Brazaca pressiona, assume a ponta mas erra na parte do fundo da pista, e Mateus reaparece na ponta. Lucas Basso (vencedor da 2ª etapa) chega ao 2º, encosta no irmão que recebe a quadriculada em 1º.

A VX3 importada teve Fabrício Ramazzine fazendo o hole shote com Gustavo Visoto em 2º. Em 4 voltas, Anderson Alberton que não largou bem, assume a 2ª colocação e faltando 4 voltas do fim, é 1º na bateria. Alberton que venceu a etapa passada venceu novamente e assume a ponta. Ramazzine e Visoto chegaram em seguida.

 

A Nacional Força Livre ficará na história. Não se tem notícia de uma prova com 3 largadas, ou seja 2 bandeiras vermelhas . Na largada um, um acidente provocou a 1ª bandeira vermelha Márcio Alarcon liderava com Antônio Edu Brazaca em 2º. Na 2ª vermelha, os dois também estavam no 1º pelotão.  Na 3º largada, mais ao final de bateria, Alarcon erra, Antônio assume a ponta, estava com a taça na mão quando a moto tem problemas, e Jonilson que fazia prova de recuperação, ganha a prova de bandeja. Foi a 3ª vitória seguida. Alarcon foi 2º com Vinícius Rigol no 3º lugar.

Na 230 Estreantes, Gustavo Wening largou em 5º, fez prova de recuperação, buscou um a um os postos até chegar a liderança e vencer a 2ª prova consecutiva e se manter na liderança. Pedro Marchezan chegou em 2º com Deivid Moraes em 3º.

A última prova da etapa, teve Lucas Basso largando na frente da VX1. E Alex Alarcon o 1º na Intermediária VX1. Mas uma bandeira vermelha mudou tudo. E ainda teve mais uma relargada com Matheus Basso na ponta com Antônio Brazaca assumindo a ponta no começo de prova. Brazaca, andou com inteligência, poupou equipamento e no final abriu o suficiente para vencer a etapa. Jordan Martinis que largou em 3º chegou em 2º com Lucas basso em 3º.

Alarcon largou no primeiro pelotão e foi o vencedor da VX1 Intermediária pela 2ª vez seguida, com Anderson Alberton e Vitor Beltoldi em 3º.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Sílvio Bilhar começou em março de 1995 o jornal O Podium, exclusivo sobre motociclismo, antes disso teve participação durante 3 anos no Jornal Pit Stop (Hoje é Revista). Estudou Relações públicas na FEEVALE em N.Hamburgo, Jornalismo em São Leopoldo e fez diversos curso de aprimoramento, entre eles de Publicidade e Marketing e de Jornalismo Esportivo, cuja aprovação foi com louvor. Ainda hoje é editor e proprietário do Jornal O Podium cujas informações é de ser o único do estilo no Brasil. Assumiu o Mundocross após o falecimento de seu grande amigo Jorge Soares, que chegou a escrever por alguns anos uma coluna no Jornal. Ambos parceiros e colaboradores nos dois veículos. Natural de Montenegro/RS, nasceu em 10 de fevereiro de 1965. Mora a mais de 25 anos em Novo Hamburgo, região da Grande POA no RS.

Desenvolvido por GetFly