Pro Tork renova patrocínios no sul do país para 2020

Por Sílvio Bilhar \ Guilherme Augusto | Fotos por Daniela Burgonovo | 08 de março de 2020 - 22:54

Validando o compromisso de expandir a cultura duas rodas em todas suas esferas, a Pro Tork anunciou mais uma importante parceria. A empresa, considerada a maior fabricante de motopeças da América Latina, irá patrocinar as federações Paranaense, Catarinense e Gaúcha de motociclismo em 2020.

Pro Tork patrocinará as 3 federações do sul do País em 2020

Assim, estão garantidas as realizações dos campeonatos estaduais de motocross e de velocross desta temporada nos três estados. Os contratos são de naming rights e, desta forma, as competições levam o nome da líder mundial na produção de capacetes.

Para o diretor-presidente da Pro Tork, Marlon Bonilha, essa é uma notícia a ser celebrada por todos. “Tais provas reúnem centenas de pilotos em cada etapa, sem falar em seus milhares de espectadores. Estamos felizes em confirmar mais uma ação voltada ao fortalecimento do motociclismo no Brasil”, destaca.

Parceria de 21 anos no Paraná

A Pro Tork possui uma profunda relação com o estado no qual está sediada e há 21 anos consecutivos patrocina a Federação Paranaense de Motociclismo – FPRM. Através da inscrição subsidiada atletas que estiverem utilizando equipamentos da marca não precisam pagar para competir no velocross ou motocross. Deste modo, o valor, que costuma variar entre R$ 110 e R$ 150 por categoria, é bancado pela empresa, representando uma boa ajuda de custo.

Nesta temporada, os itens obrigatórios são: conjunto Jett Factory Edition 3, capacete Fast, óculos Blast, colete Jett Lite, botas Jett Lite ou Jett Hi-Vis – com sola Tri-Compound e luva Pro Tork.

Para o presidente da entidade, Gilberto ‘Juba’ da Rosa, o projeto possibilita o início de muitos nas pistas. “Além da moto em si os pilotos precisam bancar custos como combustível, alimentação, deslocamento e treinos, o que acaba dificultando o acesso ao esporte. Graças a inscrição subsidiada um número maior pode ingressar em alguma categoria e se manter durante todo o campeonato”, frisa o representante da FPRM.

Santa Catarina terá categorias monomarca

Além da inscrição subsidiada para o velocross, que ocorre nos mesmos moldes do Paraná, em Santa Catarina as novidades também chegam ao gate: o estado terá as categorias TR 50F e TR 100F no velocross. “São divisões infantis e que incentivam a paixão pelo motociclismo desde cedo. Estamos muito satisfeitos enquanto entidade em renovar mais um ano de parceria com essa empresa que tanto tem apoiado o esporte”, afirma o presidente da Federação Catarinense, Marisergio Kons – o “Pezão”.

Sorteio de motocicletas 0km no Rio Grande do Sul

As classes TR 50F e TR 100F também estarão presentes no velocross do Rio Grande do Sul e, por falar em minimotos, serão sorteadas unidades do modelo de 100 cilindradas entre os pilotos federados. Para concorrer, os atletas devem competir todas as etapas dos Gaúchos de Velocross, Motocross, Hard Enduro e Enduro de Regularidade. Assim, serão entregues quatro motos, uma para cada modalidade.

Jair (FGM) e Marlon (Pro Tork) mantém a parceria para 2020

Segundo o presidente da Federação Gaúcha de Motociclismo, Jair Costa, a parceria entre a marca e entidades promove o desenvolvimento do esporte. “Juntos, garantimos a viabilidade de um trabalho efetivo em diversas modalidades do off road”, comenta o membro da FGM. No estado ainda haverá inscrição subsidiada ao velocross, bem como no Paraná e em Santa Catarina.

Sobre a Pro Tork: A Pro Tork é a maior fábrica de peças e acessórios para motocicletas da América Latina e também a líder mundial em capacetes, tendo em seu catálogo mais de 40.000 itens de fabricação própria no Brasil. Localizada na cidade de Siqueira Campos, ao norte do Paraná, a empresa negocia com mais de 60 países. Sua história teve início em 1987 com a fabricação de escapamentos de forma artesanal.

Compartilhe este conteúdo

Comentários

Sílvio Bilhar começou em março de 1995 o jornal O Podium, exclusivo sobre motociclismo, antes disso teve participação durante 3 anos no Jornal Pit Stop (Hoje é Revista). Estudou Relações públicas na FEEVALE em N.Hamburgo, Jornalismo em São Leopoldo e fez diversos curso de aprimoramento, entre eles de Publicidade e Marketing e de Jornalismo Esportivo, cuja aprovação foi com louvor. Ainda hoje é editor e proprietário do Jornal O Podium cujas informações é de ser o único do estilo no Brasil. Assumiu o Mundocross após o falecimento de seu grande amigo Jorge Soares, que chegou a escrever por alguns anos uma coluna no Jornal. Ambos parceiros e colaboradores nos dois veículos. Natural de Montenegro/RS, nasceu em 10 de fevereiro de 1965. Mora a mais de 25 anos em Novo Hamburgo, região da Grande POA no RS.

Desenvolvido por GetFly